sexta-feira, 29 de julho de 2011

FESTIVAL DE FÉRIAS - WALLACE E GROMIT EM A BATALHA DOS VEGETAIS

As férias estão quase no fim, mas nem por isso é preciso deixar de se divertir e ficar pensando na escola ou no trabalho. Hoje uma boa opção é escolher uma boa comédia em desenho animado como Wallace e Gromit - A Batalha dos Vegetais (2005), uma deliciosa produção feita com a técnica do stop-motion, o velho truque de movimentar bonecos feitos de massinha. Com um visual coloridíssimo e muito chamativo, esta animação é uma das melhores dos últimos tempos e encanta por seu detalhismo e roteiro afinado. Das mentes criativas de Steve Box e Nick Park, a dupla formada pelo inventor atrapalhado e seu fielmente companheiro canino ficaram famosos a partir de uma série de premiados curtas-metragens que também fizeram a fama do estúdio Aardman, o mesmo que lançou A Fuga das Galinhas.

Na aventura, Wallace e Gromit gerenciam uma empresa especializada em exterminar pragas e em determinada época do ano eles tem muito serviço. A cidade onde vivem está agitada devido ao concurso anual de legumes gigantes e para proteger as plantações de insetos e outros animais, cada um as protege como pode, mas para ajudar o inventor cria um equipamento que captura os bichos sem machucá-los. O grande alvo são os coelhos que parecem se multiplicar quando o evento se aproxima, mas a máquina consegue capturá-los, porém, outro problema surge. De um dia para o outro uma fera vegetariana surge do nada para assombrar a todos e nenhum esquema de proteção a impede de saciar sua fome de legumes. Agora, Wallace e seu cão assistente precisam dar um jeito nesse coelhão para manter a honra, mas, principalmente, evitar que o arrogante Victor Quartermaine, que está de olho na fortuna de Lady Tottington, a organizadora da festa, consiga fazer isso antes e conquiste a confiança da moça.


Apesar da aparente ingenuidade, o roteiro tem ótimas piadas e até referências a outras produções cinematográficas, principalmente quando o "coelhosomem" entra em cena. Os mais atentos com certeza devem perceber as inspirações dos criadores nos filmes de monstros clássicos do cinema e sobra até uma lembrança do King Kong no clímax de tudo. Até o clima de tensão típico do gênero de suspense ou terror é reproduzido, por exemplo, em uma cena que Gromit fica sozinho no carro a espera do amigo e tem uma desagradável surpresa. Assim, são dos pequenos detalhes que surge o humor, aliás, as próprias características físicas de personagens como Lady Tottington e Victor Quartermaine são de fazer gargalhar. Também vale destacar o excelente trabalho para a criação do esperto cachorrinho. Como ele não fala nada, foi preciso criatividade e árduo trabalho para que ele pudesse se expressar através de gestos e olhares e conseguisse se manter como um dos protagonistas. Objetivo concretizado com perfeição, já que até os seus pensamentos são compreensíveis.

Com os prêmios garantidos com os curtas e a credibilidade que a aventura no galinheiro rendeu, já era hora dos personagens Wallace e Gromit, muito famosos em terras britânicas, ganharem seu próprio longa metragem. O grande desafio era fazer um trabalho que agradasse crianças e adultos, já que em tempos em que as produções computadorizadas arrecadam verdadeiras fortunas nas bilheterias não se pode brincar em serviço. No quesito roteiro o problema foi contornado com louvor, mas a opção por uma técnica em desuso para criar um visual diferente veio para o bem e para o mal. Certamente, dar uma identidade ao desenho e fugir da mesmice é louvável e o resultado é maravilhoso, mas o estilo retrô pode ter passado ao público uma idéia equivocada de que esta animação é extremamente infantilizada. Assim, a arrecadação nos cinemas não foi das melhores, mas nada que não se recuperasse com os investimentos para o consumo doméstico da obra.


Embriagados com a essência de cenários meticulosamente produzidos e ricos em detalhes e pela narrativa linear e um tanto ingênua (leia-se como um elogio), os espectadores são facilmente envolvidos e absorvidos por um mundo colorido e divertido que deve remeter a infância os mais crescidinhos. Com cara de animação feita para canais educativos e com um humor britânico afiadíssimo, Wallace e Gromit - A Batalha dos Vegetais é uma excelente opção para toda a família, com uma excepcional mistura de nostalgia e modernidade, e até o Oscar se rendeu ao seu irresistível charme contemplando-a como Melhor Filme de Animação de 2005. Nem sempre a perfeição do computador e os enredos que bombardeiam o público com piadas e adrenalina são os melhores. Pena que os realizadores ficaram devendo pelo menos um segundo longa com esta impagável dupla.

Um comentário:

renatocinema disse...

Adoro os personagens e adorei o longa-metragem.

As crianças de hoje deveriam se abrir para personagens e animações como essa.

Você também pode gostar de:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...