quarta-feira, 29 de fevereiro de 2012

ESQUECERAM DE... A ESCOLHA DE SOFIA

Meryl Streep usou roupa dourada para receber seu terceiro prêmio da Academia de Cinema em 2012. Coincidência ou não, a mesma cor ela usou anos atrás em seu vestido quando ganhou seu segundo Oscar por A Escolha de Sofia (1982), uma bela obra que se passa nos tempos do nazismo, mas a narrativa não se concentra apenas nos fatos históricos e se preocupa em enfocar os dramas de seus personagens, principalmente da protagonista após o triste período que marcou a Segunda Guerra Mundial. Segredos, culpas, tristezas, mágoas, tudo isso se mistura neste apoteótico filme do cineasta Alan J. Pakula, responsável também pelo famoso Todos os Homens do Presidente, onde não só o elenco brilha, mas também há espaço para a equipe técnica mostrar seu competente trabalho. Não é a toa que o longa foi indicado a diversos prêmios e Meryl venceu praticamente todos os prêmios da temporada. Aliás, sua interpretação chegou a ser considerada por uma cultuada revista a terceira melhor atuação feminina da história do cinema e o filme frequentemente é lembrado em listas dos melhores de todos os tempos.  

terça-feira, 28 de fevereiro de 2012

REALIZANDO UM SONHO


Para alguns filmes quanto mais o tempo passa melhores eles ficam e as animações da Disney se beneficiam muito disso. Muitos trabalhos orientados de perto ou apenas idealizados por Walt Disney entre as décadas de 1930 e 1960 hoje em dia são verdadeiros clássicos, mas quando lançados foram considerados verdadeiras loucuras e não fizeram sucesso. Depois da boa recepção e repercussão de Branca de Neve e os Sete Anões, em 1940 a equipe de desenhistas do estúdio deu mais um grande salto no campo da criação investindo em cenários e personagens bem detalhados e tomando maiores liberdades para contar a história de Pinóquio, baseado no livro “As Aventuras de Pinóquio” de Carlo Collodi. No aspecto visual o longa mantém seu colorido vivo, mas o enredo pode ser considerado um tanto simplório e ingênuo se comparado a produções mais modernas, porém, leva vantagem pelo fato dos personagens serem extremamente simpáticos e logo ganharem a simpatia do público. A trama é bem popular em todo o mundo, mas não custa relembrar. O velho artesão Geppetto consegue adquirir um pedaço de madeira que considera muito especial e decide fazer algo inesquecível: um boneco que fosse o mais próximo possível de um ser humano, como o filho que ele nunca teve. O senhor que vivia sozinho nem desconfiava que assim ganharia um companheiro de verdade. Graças a Fada Azul, Pinóquio, como o Geppetto batizou sua criação, poderia se tornar um menino de verdade, desde que provasse sua lealdade e coragem, virtudes que ele deveria compreender por conta própria. Nessa jornada de aprendizados, o garoto conta com a ajuda do esperto Grilo Falante, mas nem assim ele deixa de arrumar confusão ou cair em armadilhas. Para piorar, sempre que mentisse seu nariz cresceria denunciando sua desobediência e diminuindo as chances de se tornar uma pessoa de carne e osso. É óbvio que ele irá entrar nos eixos, demonstrando sua bravura no clímax do conto em um fatídico acidente em alto mar, mas essa parte é melhor deixar de lado para que os poucos que nunca assistiram se surpreendam. Só se pode adiantar que a sequência realça a coloração obtida através das pinturas das cenas realizadas a base de tinta a óleo e que muitas técnicas inovadoras foram utilizadas para fazer o efeito da água do mar revolto.

segunda-feira, 27 de fevereiro de 2012

NOSTALGIA MARCA O OSCAR 2012

O Artista consagrou-se na grande festa do cinema exaltando o passado
Veja no final da postagem um vídeo com todos os vencedores
A 84º festa da Academia de Cinema e Artes Cinematográficas teve todo um clima nostálgico do início ao fim, a começar pela introdução do apresentador Billy Crystal, pela nona vez na função, que em meio as suas tradicionais brincadeiras fez uma referência a última cerimônia do Oscar possivelmente realizada no Hollywood and Highland Center, o ex-Kodak Theatre. A empresa internacionalmente conhecida pelos seus produtos para filmagens e fotografias pediu recentemente concordata e cancelou o patrocínio do espaço que abrigava o evento há mais de uma década. Tal episódio foi desencadeado justamente pelos avanços tecnológicos, já que muitos cineastas estão optando pelas câmeras digitais para as filmagens, o que torna obsoletos processos como arquivamento de imagens em rolos e revelações. 

domingo, 26 de fevereiro de 2012

HOJE É DIA DO OSCAR 2012

Com dez indicações, O Artista tem conquistado a maior parte dos prêmios da temporada e se for eleito o melhor filme pela Academia de Cinema ajudará o Oscar a escrever mais um importante capítulo de sua história ao premiar um longa francês e com visual totalmente retrô


Com onze indicações, A Invenção de Hugo Cabret é outro título a investir em um tema do passado, porém, com visual moderno que chamou a atenção dos votantes, tanto é que sua participação na festa se concentra nas categorias técnicas, mas pode surpreender

EM CARTAZ... VALENTE (pôster nacional)



Depois de colher más críticas por Carros 2 e pela primeira vez ter ficado de fora da lista dos indicados ao Oscar de Melhor Filme de Animação, a Pixar quer reconquistar sua posição de destaque no mercado e já começa a investir na divulgação de seu novo longa animado, Valente. O desenho conta a história de Merida, uma jovem princesa que não quer saber das frescuras e regalias da vida dos nobres e desafia seus pais e a sociedade contrariando as tradições. Ela sonha em se tornar uma grande arqueira, o que pode colocar em risco o reinado de seu pai. O primeiro cartaz promocional é extremamente simples e apresenta a protagonista em destaque, mas a marca do estúdio aliada a da Disney já são fatores suficientes para chamar a atenção do público que aguardarão ansiosos as próximas férias. A estréia é prevista para a segunda quinzena de julho de 2012.

sábado, 25 de fevereiro de 2012

RELEMBRANDO O OSCAR 2011

Assista nesta postagem um vídeo especial com os vencedores do Oscar 2011

Chegamos ao término desta retrospectiva da última década do Oscar, uma forma de tentarmos compreender os acertos, equívocos e esquecimentos da Academia de Cinema que podem sim determinar os resultados da edição seguinte. Em 2011, após anos premiando produções contemporâneas e praticamente sem brilho algum para futuramente serem lembradas ou consideradas clássicas, o Oscar resolveu voltar a dar um voto de confiança a uma produção de época. O Discurso do Rei, um filme tradicionalista e que pouco a pouco conquistou seu espaço nas premiações, venceu o moderninho A Rede Social. Seria um resultado manipulado? Provavelmente não, afinal o longa acerca de um episódio verídico envolvendo a família real da Inglaterra já vinha conquistando quase todos os prêmios que antecederam a premiação da Academia. O resultado final gerou bastante polêmica e críticas.

sexta-feira, 24 de fevereiro de 2012

RELEMBRANDO O OSCAR 2010

Assista nesta postagem um vídeo especial com os vencedores do Oscar 2010

Todos sabem que o Oscar é um prêmio para ajudar os filmes a faturarem alto nas bilheterias e posteriormente no home vídeo. Quem gosta de cinema dificilmente não se deixa deslumbrar quando se depara com a tão famigerada estatueta dourada adornando um cartaz ou a capa de um DVD. Os leigos então nem se fala. Para eles, tudo que ganha o aval de críticos e entendidos é porque deve ser ótimo. Nem sempre é assim. Anualmente, grandes produções, outras modestas, algumas independentes e também títulos estrangeiros lutam por uma vaguinha que seja no maior prêmio da indústria cinematográfica para conseguirem uma visibilidade maior no circuito de exibição, mas nem sempre os que conquistam essa honra realmente a merecem. E nesse jogo de interesses muitas produções excelentes acabam não ganhando destaque e ficam fadadas a colher minguados frutos financeiro e sem o devido valor que o público lhes devia dispensar.

quinta-feira, 23 de fevereiro de 2012

RELEMBRANDO O OSCAR 2009

Assista nesta postagem um vídeo especial com os vencedores do Oscar 2009

Depois de alguns anos seguidos pulverizando seus prêmios e o grande vencedor da festa não chegando a conquistar mais do que quatro estatuetas, em 2009 voltamos aos tempos em que o eleito como Melhor Filme realmente teve seus principais atributos devidamente premiados pela Academia de Cinema somando assim um considerável número de troféus para ajudar em sua publicidade. Apesar de nenhum prêmio nas categorias de interpretação, Quem Quer Ser Um Milionário? fez bonito e faturou oito prêmios desbancando o favorito O Curioso Caso de Benjamin Button. O pessoal da parte técnica, diga-se de passagem impecável, e os responsáveis pelo visual da obra juntaram-se ao elenco e subiram no palco para festejar ao lado do cineasta Danny Boyle as oito estatuetas, incluindo a de Melhor Diretor e Melhor Filme. Todavia, a festa foi bastante previsível e sem surpresas.

quarta-feira, 22 de fevereiro de 2012

RELEMBRANDO O OSCAR 2008

Assista nesta postagem um vídeo especial com os vencedores do Oscar 2008

A 80º edição do Oscar por pouco não aconteceu. Naquele ano os roteiristas de Hollywood entraram em greve e deram um belo susto nos mandas chuvas dos estúdios e produtoras. Sem eles também não há cerimônia, já que um time de escritores é recrutado para escrever as baboseiras que os apresentadores da festa dizem. Bem vendo por este lado até que a paralisação de seus trabalhos seria benéfica. De qualquer forma, a situação com o sindicato da categoria foi resolvido a tempo e evitou um grande baque para a Academia de Cinema que por pouco não ficou sem realizar sua premiação justamente quando comemorava um importante aniversário. Vale lembrar que o Globo de Ouro daquele ano acabou se resumindo a uma rápida cerimônia na qual profissionais da imprensa anunciaram os vencedores, mas não houve discursos e nem mesmo os premiados recebendo seus troféus. 

terça-feira, 21 de fevereiro de 2012

RELEMBRANDO O OSCAR 2007

Assista nesta postagem um vídeo especial com os vencedores do Oscar 2007

Para quem ainda defende a idéia de que para um filme ser considerado o melhor do que foi produzido em um ano é preciso que ele reúna o máximo de características consideradas premiáveis entre as que são comumente julgadas, a maior parte das festas do Oscar realizadas durante a década de 2000 foi uma tremenda decepção. A concepção de que figurinos, cenários, trilha sonora, boa fotografia, enfim todos os atributos técnicos e visuais são importantes na hora da escolha do favorito foram enterrados pela Academia. Cada vez mais ela opta por produções contemporâneas em que se destacam seus elencos ou roteiros. O que vier de prêmios fora dessas categorias é lucro, porém, tais títulos visualmente são tão comuns que com o tempo as lembranças das estatuetas douradas recebidas são totalmente esquecidas e o filme acaba se tornando um projeto qualquer para alimentar as madrugadas da TV.

segunda-feira, 20 de fevereiro de 2012

RELEMBRANDO O OSCAR 2006

Assista nesta postagem um vídeo especial com os vencedores do Oscar 2006

Embora nas categorias dos intérpretes os prêmios tenham sido entregues a quem os merecia, o Oscar 2006 realmente surpreendeu na hora do anúncio do melhor filme do ano anterior. Nem a turma que produziu Crash – No Limite parecia acreditar que ganharam o prêmio máximo da festa. Há muito tempo não se via reações de surpresa tão agradáveis. Por outro lado, a Academia perdeu a chance de fazer história premiando um longa com temática homossexual. Esperava-se mais de O Segredo de Brokeback Mountain. Apesar de ter dado três prêmio à produção, o preconceito ainda estava presente em Hollywood. Clint Eastwood era o escolhido para entregar o prêmio de Melhor Filme, não só por ser um nome importante, mas também por ter vencido a mesma categoria um ano antes. Ícone dos filmes de caubóis, ele se recusou a ir a festa com medo de ter de chamar ao palco os responsáveis pela desconstrução dessa figura máscula que ele tão bem representou por anos.

domingo, 19 de fevereiro de 2012

RELEMBRANDO O OSCAR 2005

Assista nesta postagem um vídeo especial com os vencedores do Oscar 2005

Em uma festa onde não havia uma superprodução na jogada, essa foi a chance do Oscar surpreender já que não haviam quase franco-favoritos e as outras premiações que acontecem sempre antes da noitada da Academia de Cinema estavam pulverizando seus prêmios e quase todos os filmes da safra estavam sendo lembrados em ao menos uma categoria. Aliás, em 2005 foi a primeira vez depois de muitos anos que todos os candidatos a Melhor Filme saíram da maior festa do cinema com uma categoria para chamar de sua.
Este ano também foi uma das raras vezes que o Melhor Filme não ganhou o recorde de estatuetas. Menina de Ouro ficou com um Oscar a menos que O Aviador, mas na hora de colocar na balança o menos venceu o mais. O longa de Clint Eastwood sobre uma mulher no boxe ganhou prêmios importantes, entre eles o de direção, enquanto Scorsese perdeu mais uma vez a estatueta e viu sua biografia sobre um excêntrico milionário se dar bem nas categorias secundárias, mas ainda assim seu longa sagrou-se um dos grandes campeões da noite. 

sábado, 18 de fevereiro de 2012

RELEMBRANDO O OSCAR 2004

Assista nesta postagem um vídeo especial com os vencedores do Oscar 2004

A edição 2004 do Oscar foi sem dúvidas uma das cerimônias mais chatas, mas também uma das mais corretas, desde o ano em que Titanic atropelou seus concorrentes. Os motivos são óbvios. O Senhor dos Anéis – O Retorno do Rei fez justiça aos dois longas da série que o antecederam e  faturou todas as onze categorias em que concorria. Melhor Filme pode até ser um prêmio discutível, mas todas as categorias técnicas que venceu foram merecidas, assim como Peter Jackson ser considerado o Melhor Diretor.
A certa altura da festa, tinha gente subindo no palco para agradecer não só os prêmios que sobraram, mas também por a saga dos Hobbits não ter sido indicadas naquelas categorias, entre elas as dos intérpretes. Quem ganhou já sabia que ia faturar, não surpreendeu ninguém. Aliás, como os discursos seriam destinados a mesma equipe de um mesmo filme em quase todas as ocasiões que alguém ia agradecer um prêmio, os próprios vencedores trataram de ser rápidos com os beijinhos e isso fez com que a cerimônia fosse um pouco mais curta que o habitual e sobrou até tempo para reunir os campeões da noite no palco para uma fotinho de recordação.

sexta-feira, 17 de fevereiro de 2012

RELEMBRANDO O OSCAR 2003

Assista nesta postagem um vídeo especial com os vencedores do Oscar 2003

A 75º edição do Oscar não reservou grandes surpresas. Desde o início da temporada de premiações tudo já estava meio decidido. Mesmo tendo O Senhor dos Anéis – As Duas Torres no páreo já se sabia que ele não iria surpreender positivamente. Em 2003, a saga de Peter Jackson conseguiu se sair pior do que no ano anterior, mas a Academia de Cinema também foi injusta com Frodo e sua turma. Por outro lado, ela foi muito boazinha com os fãs de cinema apresentando boa parte dos atores vencedores do Oscar das edições de anos anteriores. No palco, ao vivo, passado e presente se encontraram graças a mistura dos laureados que iam desde vencedores da década de 1930 até os ganhadores do ano corrente, incluindo artistas que abandonaram a carreira.

10 GRANDES FILMES DE MERYL STREEP

Não há dúvidas. Meryl Streep é sem dúvida uma daquelas atrizes que ficará na memória do público e crítica como uma das mais talentosas e versáteis intérpretes que o cinema já teve. Da comédia ao drama, ela simplesmente se entrega a seus personagens de tal forma que rapidamente enxergamos em cena criações totalmente verossímeis e a cada novo trabalho ela tem o poder de se transformar fisicamente, conseguindo inclusive ficar o mais próximo possível de personalidades reais como no caso da ex-primeira ministra britânica Margareth Thatcher que ela interpreta em A Dama de Ferro, seu grande trabalho de 2011. Aliás, pelo papel ela tem conquistado mais uma grande leva de prêmios e foi indicada ao Oscar pela 17º vez, um verdadeiro recorde e desta vez com chances de levar para casa sua terceira estatueta. No domingo, dia 12/02, ela recebeu uma homenagem no Festival de Berlim e ganhou um Urso de Ouro pelo conjunto de sua obra. Aproveitando seu grande momento profissional, relembre alguns bons trabalhos que marcaram a carreira desta verdadeira dama das artes dramáticas.
  

quinta-feira, 16 de fevereiro de 2012

RELEMBRANDO O OSCAR 2002

Assista nesta postagem um vídeo especial com os vencedores do Oscar 2002

A premiação dos melhores títulos lançados no primeiro ano do novo milênio foi um misto de novidades, tradição e melancolia. Esta era a primeira cerimônia do Oscar após os ataques de 11 de setembro de 2001 e pairava no ar medo e tristeza. Fazer uma festa que exaltava principalmente a cultura americana quando uma tragédia local com projeção mundial ainda estava fresca na memória do público poderia não ser uma boa idéia e até os produtores do evento estavam preocupados com possíveis novos ataques em plena reunião de astros do cinema. Felizmente, nada aconteceu. Se alguém morreu foi de tédio, pois a 74º edição do Oscar foi uma das mais longas da história com quase quatro horas e meia de duração.

BEN AFFLECK, UM TALENTO A SER (RE)DESCOBERTO


Ele já se dedica a carreira de ator desde a década de 1980, mas até hoje ainda não tem o seu trabalho reconhecido de forma digna. É certo que Ben Affleck tem um currículo extenso, mantém uma média de três lançamentos anuais, alterna trabalhos alternativos com outros estritamente comerciais, além de se dedicar a dublagens vez ou outra. Seria seu excesso de trabalho seu pecado? O mais aceitável é que ele surgiu para o grande público sendo aplaudido e premiado pelo seu talento como roteirista e assim criou-se expectativa demais quanto a seus dotes para as artes cênicas. Nos últimos tempos nessa parte ele melhorou bastante ao mesmo tempo em que passou a se dedicar com sucesso a direção de longas-metragens. 
 

quarta-feira, 15 de fevereiro de 2012

ESQUECERAM DE... MINHA VIDA SEM MINHAS MÃES

Quando se fala em filme que tem como pano de fundo a Segunda Guerra Mundial, automaticamente nos vem a mente as imagens de sofrimentos, combates, mortos, feridos, tiroteios, bombas e conchavos políticos. Isso se deve ao fato dos inúmeros filmes que já trabalharam com a temática. Também é comum enxergarmos os fatos da época através do olhar americano, já que os EUA é um dos países que mais produz obras calcadas no tema. Felizmente, existem cineastas e produtores que preferem ver estes tempos difíceis por uma ótica mais branda, pelos olhos inocentes das crianças, mas este viés também já rendeu demais. Para quem gosta de histórias que retratam o período, mas está cansado da mesmice, que tal procurar títulos do mesmo tipo em filmografias de outros países? Uma boa pedida é Minha Vida Sem Minhas Mães (2005), um belíssimo trabalho da Finlândia.

terça-feira, 14 de fevereiro de 2012

FACE A FACE COM A INOCÊNCIA


Os horrores da guerra vistos através do olhar inocente das crianças é algo comum no cinema. São vários os exemplos de filmes que emocionaram o mundo com essa fórmula, mas aparentemente as obras que misturam tempos difíceis com o universo infantil passaram a não ser bem vistas pela crítica que as consideram produções manipuladoras feitas sob medida para levarem os espectadores ao choro fácil, recheadas de clichês e que não acrescentam nada de novo em relação a tantos outros títulos que se dedicam a falar sobre guerrilhas. O período do Holocausto, durante a Segunda Guerra Mundial, quando milhares de inocentes foram mortos e muitos sem saber ao menos o motivo, tornou-se uma fonte inesgotável de matéria-prima para a indústria cinematográfica e o tema já foi exposto de diversas maneiras e enfocando o seu impacto em várias partes do mundo. Em 2008, O Menino do Pijama Listrado apostou em viés semelhante ao de A Vida é Bela: uma criança em meio a um mundo em conflito, mas sem desconfiar de todas as atrocidades que ocorrem a sua volta. Na Alemanha de meados da década de 1940, um oficial nazista (David Thewlis) assume um cargo em um campo de concentração e isto faz com que sua família deixe Berlim e se mude para uma área desolada onde uma criança pequena não tem muito que fazer para se divertir. Ao explorar o local, Bruno (Asa Butterfield) conhece Shmuel (Jack Scanlon), um garoto judeu aproximadamente de sua idade que sempre está com uma roupa listrada e isolado do outro lado de uma cerca. Bruno passa a visitá-lo frequentemente, surgindo entre eles uma amizade, mas o alemãozinho nem imagina o que se passa naquele local e muito menos dentro de sua própria casa. Sua mãe (Vera Farmiga) faz de tudo para esconder a verdade do filho, mas seu pai não se importa em ser cruel com as pessoas que cercam a casa deles e não pensa nas consequências de seus atos. Porém, como diz o ditado, aqui se faz, aqui se paga.

domingo, 12 de fevereiro de 2012

O ARTISTA É O GRANDE VENCEDOR DO BAFTA 2012


Faltam exatamente duas semanas para o Oscar e ao que tudo indica o filme que se consagrará na noite do dia 26/02 será O Artista. Faturando praticamente todos os prêmios aos quais é indicado, o longa francês ganhou no dia 12 do mesmo mês sete troféus no BAFTA, o Oscar britânico, considerado nos últimos anos como um importante termômetro para medir a aceitação dos principais títulos da temporada de premiações. Faturou prêmios importantes, incluindo Melhor Filme, e também se destacou em categorias secundárias. Já a animação Rango venceu mais um prêmio e caminha para ser realmente o desenho que marcou o ano de 2011.

sábado, 11 de fevereiro de 2012

EM CARTAZ... O LEGADO BOURNE


Demorou, mas agora está cada vez mais perto a chegada do aguardado O Legado Bourne, o quarto filme da série que era estrelada por Matt Damon. Desta vez Jeremy Renner, de Atração Perigosa, será o protagonista, mas não espere uma sequência da trilogia que fez sucesso na década da passada e nem mesmo um longa baseada em eventos anterioses a esses capítulos. O diretor Tony Gilroy, o mesmo dos filmes anteriores da série, disse que é um novo personagem e um ambiente diferente. Provável que já esteja pensando em uma possível nova trilogia. O cartaz de divulgação já deixa bem claro que a principal novidade da produção é a mudança do ator principal. A estréia americana está prevista para a primeira semana de agosto e o longa deve chegar aos cinemas brasileiros em meados do mesmo mês.

HOMENAGEM AO CINEMA À FRANCESA

Chega até a ser contraditório. Em plena época em que muitos cineastas, produtores e estúdios estão investindo pesado em histórias mirabolantes ou tecnologias de ponta e efeitos 3D para atrair o público de volta as salas de cinema ou até mesmo para injetar algo a mais na campanha publicitária de produções deficientes, muita gente do meio cinematográfico está se unindo ao coro de críticos do mundo todo para exaltar O Artista (2011), uma surpreendente obra com tom nostálgico que teria tudo para ser pisoteada por onde passasse. Isso na base do preconceito é bom deixar claro. Só vendo para crer no que este trabalho significa, principalmnete na modernidade em que a arte cinematográfica está tão debilitada e requentada.

sexta-feira, 10 de fevereiro de 2012

VEM AÍ... DE PERNAS PRO AR 2


Depois do sucesso que Tony Ramos e Glória Pires conseguiram nas férias de verão de 2006 e 2009, respecivamente com Se Eu Fosse Você e sua continuação, parece que o cinema nacional gostou da idéia de começar o ano novo apostando alto. Geralmente a divulgação de tais títulos começa dois meses antes para aguçar o público e a estratégia funciona. Milhões de espectadores comparecem aos cinemas e prestigiam o cinema nacional e assim também ocorreu com De Pernas Pro Ar. Lançado nacionalmente no último dia de 2010, o longa ultrapassou a marca de três milhões de ingressos vendidos e uma continuação já estava nos planos. Com estréia prevista para 25 de dezembro deste ano, De Pernas Pro Ar 2, protagonizado por Ingrid Guimarães e Maria Paula, será rodado em Nova York entre abril e maio e ganhará o reforço de Heloísa Perissé no elenco. Apesar da data estipulada, um adiamento da estréia pode acontecer devido ao pouco espaço de tempo para a finalização do filme e até mesmo porque pode haver a concorrência pesada de um outro produto nacional na praça: a terceira parte das confusões de troca de corpos comandada por Daniel Filho. Embora este projeto ainda não tenha saído do papel, já circularam notícias de que seu lançamento seria no início de 2013. Vamos aguardar.

10 GRANDES FILMES DO EXCÊNTRICO DIRETOR TIM BURTON

O cineasta Tim Burton é uma das mentes mais criativas que o cinema americano já teve. Desde sua estréia como diretor seu apreço por histórias de horror e por um tipo de humor peculiar estiveram acompanhando a sua filmografia, mas vez ou outra ele surpreende demonstrando uma imensa sensibilidade também para o drama. Melhor ainda quando ele pode unir tudo isso em um mesmo trabalho como fez em Edward Mãos de Tesoura. Todos os seus filmes parecem carregar a assinatura do mestre das excentricidades e transparecer o amor que tem pela sua profissão, desde quando usou efeitos caseiros para criar cenas magníficas para Os Fantasmas se Divertem, considerado seu primeiro grande projeto, até quando se rendeu aos apelos da indústria hollywoodiana e testou a modernidade do 3D para sua visão do conto Alice no País das Maravilhas, diga-se de passagem, um filme que não agradou muito. Criaturas bizarras, outras oníricas, fantasmas, super-heróis, seres vingativos, extraterrestres e até defuntos alegres e divertidos, tem de tudo na filmografia deste diretor. Não a toa ele foi o diretor que levou para o cinema a história de Ed Wood, um entusiasta da sétima arte que adorava bizarrices, mas que só teve seu trabalho reconhecido após a morte. Felizmente, Burton em vida teve seu trabalho bem avaliado por público e crítica, embora seja sempre ignorado pela Academia de Cinema que até hoje não lhe concedeu um Oscar. Veja abaixo dez grandes títulos de seu currículo. 

quinta-feira, 9 de fevereiro de 2012

O CINEMA REDESCOBRE GLENN CLOSE


Ela é lembrada como uma das maiores atrizes que o cinema já teve, por suas atuações de mulheres más ou amarguradas e também por ser figurinha fácil entre as candidatas ao Oscar e a outras premiações na década de 1980, mas, depois de muitos anos de lançamentos de filmes seguidos, Glenn Close foi pouco a pouco diminuindo seu ritmo de trabalho até que suas aparições se tornaram muito raras. Por vontade própria ela tomou essa decisão, mas provável que a falta de oferta de bons papéis para mulheres maduras também a tenha influenciado. Felizmente, em 2011 ela voltou aos holofotes com um papel atípico em seu currículo e sua carreira ganhou novo ânimo.

quarta-feira, 8 de fevereiro de 2012

ESQUECERAM DE... LADRÃO DE SONHOS

Cada país pode e deve produzir os mais variados estilos de filmes, mas sem querer um ou mais deles acabam se tornando a marca registrada do cinema local. Por exemplo, a cinematografia francesa é muito lembrada pelos romances ligeiros ou dramas pesados, mas garimpando sempre é possível encontrar algum tesouro esquecido nesta filmografia. Uma das obras mais destacadas dos últimos tempos do cinema francês foi O Fabuloso Destino de Amélie Poulain, uma obra que rompe com estilos narrativos convencionais, além de apresentar inovações no processo de edição e o uso de muitas cores em seus cenários e paisagens. Dirigido por Jean-Pierre Jeunet, certamente o cineasta trouxe para este seu trabalho muito do que aprendeu trabalhando ao lado do diretor Marc Caro. Juntos eles revolucionaram a maneira de fazer filmes na França trabalhando com enredos e visuais criativos capazes de deixar até o excêntrico Tim Burton com inveja. Uma prova disso está em Ladrão de Sonhos (1995), uma fábula infanto-juvenil com toques sombrios, mas ainda assim um tanto onírica.
 

terça-feira, 7 de fevereiro de 2012

QUERIDA CHEGUEI!



O título deste texto é retirado de um seriado de muito sucesso da década de 1990 protagonizado por uma família de dinossauros bonzinhos, mas cai como uma luva para explicitar o espírito da imagem em destaque, do filme em si e até para apresentar seu criador. The Evil Dead ou em bom português A Morte do Demônio (no Brasil os dois títulos estão sempre lado a lado) se tornou o cartão de visitas do diretor Sam Raimi. Atualmente ele é um profissional muito competente que Hollywood tratou de abrigar com toda a pompa e conforto possível, principalmente depois do mega sucesso da franquia Homem-Aranha nos anos 2000, mas seu início de carreira foi bem diferente. Ele não nasceu em berço cinematográfico, mas sempre gostou muito da sétima arte e desejava fazer parte desse mundo onde tudo é possível, inclusive ressuscitar mortos e falar com o coisa ruim em pessoa (ou quase isso). Ainda adolescente, ele se uniu ao colega Bruce Campbell, que interpreta o protagonista Ash na fita, e juntos escreveram o roteiro, trataram da produção e de levantar dinheiro para fazer um filme de terror. Em 1981, após cerca de quatro anos de contratempos, o longa finalmente ficou pronto, mas os dois jovens talvez nem desconfiavam que tinham acabado de realizar um marco na história do cinema, um legítimo trash movie com qualidades. Sim isso mesmo. Existem coisas positivas nesta produção, embora o roteiro não seja nada criativo.  Um grupo de jovens aluga uma casa de campo para curtir um final de semana, mas quando chegam ao local descobrem que escolheram uma cabana bem capenga no meio do mato, porém, decidiram ficar. Para passar o tempo, eles começam a explorar a casa e acabam encontrando um livro macabro escrito com sangue chamado “Necronomicon” junto com uma fita de áudio (as novas gerações nem devem conhecer isso) com a gravação de um historiador que leu um dos trechos da publicação. As portas do inferno então se abrem e um por um os jovens vão sendo possuídos, a matança começa e só um deles sobreviverá.  Esta premissa gerou um perturbador produto que garimpou seu espaço graças aos festivais dedicados a produções amadoras, de terror e afins, assim chamando a atenção de grandes produtores e distribuidores que decidiram lutar para colocar o projeto em circuito comercial e investir no promissor cineasta, tanto que o longa gerou outras duas continuações tão toscas quanto o original, embora nelas já existisse capital hollywoodiano inserido.

sexta-feira, 3 de fevereiro de 2012

10 DESENHOS APAVORANTES DE SCOOBY-DOO E SUA TURMA

Scooby-Doo é um personagem criado em 1969 pelo desenhista Iwao Takamoto e produzido pela Hanna-Barbera, a grande produtora de desenhos para a TV daquela época. Salsinha, Daphne, Fred e Velma são seus companheiros de aventura e juntos formam a Mistério S.A., um grupo especializado em desvendar casos misteriosos, mesmo que eles sejam do além. Os anos foram passando e a série animada foi sendo renovada, inclusive ganhando a versão juvenil dos personagens, mas sempre a fórmula consagrada foi mantida: eles são chamados para solucionar um caso em lugar misterioso e que sempre tem personagens esquisitos ou que guardam segredos, mas no final um deles é revelado como o vilão atuando sob uma fantasia e mascarado. Quase meio século depois de sua criação, este desenho continua divertindo a criançada e vira e mexe algum novo longa-metragem que mistura humor e terror é lançado em DVD. Veja abaixo dez títulos de arrepiar de Scooby e sua turma.

quinta-feira, 2 de fevereiro de 2012

GEORGE CLOONEY, SUCESSO NA FRENTE E ATRÁS DAS CÂMERAS


Ele ganhou fama mundial graças a um seriado de televisão, mas logo o cinema tratou de aproveitar seu sucesso, mas quem tem pressa come cru. Foi preciso alguns anos para chegar a maturidade da carreira, na verdade bem poucos, mas quase que George Clooney se tornou um mico da história do cinema e chegou a ser apontado como o responsável pelo fracasso de uma das franquias da sétima arte mais rentáveis da década de 1990. Felizmente, ele foi esperto e sabia que seu charme que tanto chamava a atenção da mulherada (e ainda continua) não seguraria sua carreira. Hoje seu talento é reconhecido tanto como ator, como também diretor, produtor e roteirista.

quarta-feira, 1 de fevereiro de 2012

ESQUECERAM DE... MORTE NO FUNERAL

Todos sabem que muitos filmes excelentes ficaram esquecidos na transição do VHS para o DVD e até hoje continuam fora do mercado, mas até mesmo no formato mais moderno muitas produções foram lançadas e rapidamente esquecidas, porém, injustamente. Esse é o caso de Morte no Funeral (2007), uma comédia muito divertida e que tem certo ar nostálgico por investir em situações de humor envolvendo um evento que reúne uma família bem numerosa e cheia de segredos, um tipo de enredo cômico muito comum em décadas passadas. É como se assistíssemos as férias frustradas do ator Chevy Chase só que aqui o cenário é o de um velório e os protagonistas são ingleses e com piadas concentradas na ponta da língua ao invés de investirem no humor de caras e bocas tão comum no cinema americano. Aliás, Hollywood não pode ver algo dando certo de outro país que logo corre atrás para adquirir os direitos de uma refilmagem, mas neste caso a cópia é um verdadeiro desastre e mais parece um episódio esticado de um seriado babaca. Prefira o original.

Você também pode gostar de:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...