sábado, 25 de fevereiro de 2012

RELEMBRANDO O OSCAR 2011

Assista nesta postagem um vídeo especial com os vencedores do Oscar 2011

Chegamos ao término desta retrospectiva da última década do Oscar, uma forma de tentarmos compreender os acertos, equívocos e esquecimentos da Academia de Cinema que podem sim determinar os resultados da edição seguinte. Em 2011, após anos premiando produções contemporâneas e praticamente sem brilho algum para futuramente serem lembradas ou consideradas clássicas, o Oscar resolveu voltar a dar um voto de confiança a uma produção de época. O Discurso do Rei, um filme tradicionalista e que pouco a pouco conquistou seu espaço nas premiações, venceu o moderninho A Rede Social. Seria um resultado manipulado? Provavelmente não, afinal o longa acerca de um episódio verídico envolvendo a família real da Inglaterra já vinha conquistando quase todos os prêmios que antecederam a premiação da Academia. O resultado final gerou bastante polêmica e críticas.
Se havia dúvidas quanto ao resultado da categoria Melhor Filme até o último minuto, o mesmo não se pode dizer quanto aos vencedores entre os atores. Mais uma vez todos aqueles que já tinham subido nos palcos de outras festas para agradecer seus troféus voltaram a se pronunciar no microfone. Pelo menos nesse quesito a Academia teve mais acertos do que erros na última década.
Mantendo a idéia dos dez indicados a categoria principal da festa, muito gaiato entrou nesta lista e saiu de mãos abanando da premiação, sendo que o mico da noite sobrou para os irmãos Ethan e Joel Coen que perderam as dez chances que tinham para levar estatuetas para casa pelo western Bravura Indômita. Os membros da Academia concluíram algum tempo depois que dez títulos para concorrerem a Melhor Filme era um número exagerado e decidiu mudar as regras para que a partir de 2012 o número de indicados fosse variável dependendo da posição que os filmes alcançassem na ficha de votação de cada membro. 

Não deixe de assistir o vídeo especial com os vencedores do Oscar 2011. Basta clicar na imagem abaixo.

O Oscar acertou premiando...
Colin FirthApós anos se dedicando a papéis coadjuvantes ou as comédias românticas, o ator teve em 2010 uma ótima chance para ser premiado, mas foi preterido. No ano seguinte a Academia não teve como se esquecer de mais uma bela atuação deste inglês  como um rei gago em O Discurso do Rei. Não foi um prêmio de correção, pelo contrário, foi muito merecido.
Natalie PortmanEla tinha todos os predicados necessários para viver comodamente papéis em filmes do tipo água com açúcar e encher os bolsos facilmente, mas ela quer mais da vida. Se esforçou ao máximo para dar vida a atormentada e perfeccionista bailarina de Cisne Negro. Só os vinte minutos finais do filme já a credenciam a ostentar o título de Melhor Atriz com louvor e talvez seja a melhor interpretação de uma atriz premiada com Oscar nos últimos dez anos.
Christian BaleEle também poderia se acomodar e viver pelos próximos anos interpretando o Batman e ganhando muito dinheiro, mas ele adora desafios e mudar fisicamente para encarnar novos papéis. Emagreceu bastante para viver um ex-pugilista que se afundou no mundo das drogas e crimes, mas que busca a redenção, em O Vencedor. Na realidade ele é bem mais protagonista que seu parceiro de cena Mark Wahlberg, porém, nas premiações, foi inscrito como coadjuvante para aumentar suas chances de ser premiado.
A OrigemHavia certa torcida para esta produção cabeça vir a se consagrar no Oscar. Não levou o prêmio principal, mas dominou nos quesitos técnicos. Ganhou quatro merecidos troféus (efeitos visuais, fotografia, edição de som e mixagem de som), mas já é o bastante. A trama não é de tão fácil assimilação por qualquer platéia e nenhum ator teve seu desempenho indicado para as premiações.
Merecia ter ganhado…
Cisne Negro Certamente o título será lembrado como um dos grandes destaques da edição 2011 do Oscar, afinal conquistou cinco indicações sendo três de muita importância. Só ganhou o prêmio de Melhor Atriz. Merecia ter tido mais indicações. A maquiagem impecável e o roteiro que alterna realidade, delírio e a própria história do famoso balé inexplicavelmente foram esquecidos. Se as estatuetas de Melhor Filme e Melhor Direção pelo trabalho de Darren Aronofsky fossem cedidas ao longo os prêmios estariam em boas mãos.
127 HorasO trabalho tem uma premissa técnica interessante e inovadora e merecia ter sido lembrado por sua excelente montagem para que o filme não passasse em brancas nuvens pela festa. Não foi indicado por sua fotografia, mas também valeria o prêmio.
Helena Bonhan CarterÉ tão raro ver essa atriz em um filme que não seja dirigido por Tim Burton, seu marido, e mais raro ainda ela interpretar personagens que aparecem de cara limpa, sem a necessidade de figurinos e maquiagens, que só isso já lhe valeu a indicação. Mas realmente ela está muito bem como a esposa do personagem de Colin Firth, uma nobre que acompanha todos os passos de seu marido em busca da superação.
Estava perdido na festa...
Bravura Indômita Mais uma vez Ethan e Joel Coen ocuparam vagas na festa, mas ao contrário do que tinha acontecido em 2010 desta vez eles vieram com força de gigantes. O remake de um clássico do gênero western recebeu dez indicações, mas perdeu todas. Ao menos tal publicidade ajudou o público a lembrar de que esporas, chapéus de caubóis e mocinhos e bandidos montados em cavalos ainda compõem boas histórias.
Inverno da Alma Sempre um pequeno filme independente chega de mansinho e conquista seu espaço entre as grandes produções. Desta vez a história de uma jovem em busca do paradeiro do pai e que no caminho descobre coisas sobre ele que jamais imaginou foi a vedete, mas nem o tradicional prêmio de roteiro geralmente dado a produções do tipo foi entregue a esta produção.
Michelle Williams e Nicole KidmanAs duas damas compareceram na festa para ajudar a divulgar seus respectivos filmes, Namorados Para Sempre e Reencontrando a Felicidade, mas sabiam que não tinham chances de faturar o prêmio, ainda mais sem o respaldo de outras indicações para essas produções dramáticas. Não emocionaram os membros da Academia.
O Oscar esnobou…
Enrolados A Disney voltou a investir nos contos clássicos infantis inovando na narrativa e alcançando muito sucesso em todo o mundo. Como de costume a produção foi indicada a Melhor Canção, mas foi limada entre os indicados a filme de animação. Um erro grave da Academia que parece ainda não ter muitos parâmetros para se basear na hora de escolher os candidatos desta recente categoria.
Atração PerigosaAlguns atores de sucesso conseguiram no passado assumir a direção de um longa-metragem e levar o Oscar para casa. Ben Affleck tem em casa uma estatueta como roteirista, mas como ator ainda é muito criticado. Mais maduro, hoje em dia ele melhorou bastante na área de interpretação e também se mostra um talentoso cineasta. Merecia ter sido indicado ao Oscar como uma forma de incentivo e poderia até ver a equipe de montagem de seu filme sair vencedora, mas somente Jeremy Renner foi indicado como ator coadjuvante.
Ryan GoslingEle concorreu em 2007 ao Oscar em um filme de pouquíssima projeção. Depois disso virou figurinha fácil nas listas de premiações, mas seu nome não constou mais nas listas da Academia. Ele é o par de Michelle Williams em Namorados Para Sempre, longa acerca de um casal passando por uma crise e repensando as decisões que tomaram na vida. Ela foi indicada ao prêmio, mas por que ele não? Quando dois não querem, um não briga, portanto Gosling tem tanta importância na trama quanto ela.
Julianne MooreEla já concorreu quatro vezes ao Oscar, mas nunca levou o prêmio para casa. Há alguns anos poderia ser até considerada a sucessora natural de Meryl Streep. Bem, no quesito talento sim, mas não se pode dizer o mesmo no número de indicações à maior festa do cinema. Quase todos os anos ela se destaca em ao menos um filme e muitas premiações se lembram dela, mas no Oscar ela tem sido preterida constantemente. Ela é tão protagonista de Minhas Mães e Meu Pai quanto Annette Benning, mas nem uma indicação como atriz coadjuvante lhe ofereceram.

Um comentário:

Andy A. disse...

Adoro postagens de filmes e estou pensando em Julianne Moore .. será q chegará a sua hora ?

Você também pode gostar de:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...