segunda-feira, 27 de fevereiro de 2012

NOSTALGIA MARCA O OSCAR 2012

O Artista consagrou-se na grande festa do cinema exaltando o passado
Veja no final da postagem um vídeo com todos os vencedores
A 84º festa da Academia de Cinema e Artes Cinematográficas teve todo um clima nostálgico do início ao fim, a começar pela introdução do apresentador Billy Crystal, pela nona vez na função, que em meio as suas tradicionais brincadeiras fez uma referência a última cerimônia do Oscar possivelmente realizada no Hollywood and Highland Center, o ex-Kodak Theatre. A empresa internacionalmente conhecida pelos seus produtos para filmagens e fotografias pediu recentemente concordata e cancelou o patrocínio do espaço que abrigava o evento há mais de uma década. Tal episódio foi desencadeado justamente pelos avanços tecnológicos, já que muitos cineastas estão optando pelas câmeras digitais para as filmagens, o que torna obsoletos processos como arquivamento de imagens em rolos e revelações. 
Aí chegamos aos pontos extremos da festa. Os dois títulos mais indicados da edição têm em comum o fato de homenagearem os primórdios do cinema, porém, um apostou no visual antigo e o outro investiu pesado no que há de mais moderno atualmente para criar imagens incríveis. A Invenção de Hugo Cabret marca a primeira incursão de Martin Scorsese na tecnologia 3D e começou a noite muito bem. Até pouco mais de meia-noite o longa já colecionava cinco prêmios em categorias técnicas, mas a homenagem ao cineasta George Méliés, o responsável pelo famoso Viagem à Lua, datado do início do século 20, teve sua ascensão interrompida. O Artista, a produção francesa que relembrou a Hollywood da transição da década de 1920 para 1930, período do advento do som no cinema, conquistou também cinco categorias, mas três delas de muita relevância: ator (Jean Dujardin), diretor (Michel Hazanavicius) e filme. Os membros da Academia deram o prêmio máximo para uma obra que exalta o passado ao mesmo tempo em que o presente do cinema está um tanto conturbado e o futuro é incerto. O avanço fica por conta de uma produção da França ter superado os concorrentes americanos.
Meryl Streep e Jean Dujardin ganharam praticamente todos os
prêmios da temporada e só faltava o Oscar para completar a coleção de troféus
A nostalgia continuou no ar com o prêmio de Melhor Roteiro Original oferecido à Meia-Noite em Paris, de Woody Allen, obra que nos remete a década de 1920 e nos apresenta grandes nomes do cenário cultural e artístico da época. O cineasta para variar não compareceu ao evento, mas ele e seus roteiros também são peças importantes da história da premiação. O ator Christopher Plummer conseguiu sua primeira estatueta muito próximo de atingir a mesma idade do Oscar. Por sua atuação em Toda Forma de Amor foi eleito o Melhor Ator Coadjuvante aos 82 anos de idade, dois a menos que a idade do prêmio. Por fim, a grande Meryl Streep foi surpreendida ao ser chamada ao palco para receber o troféu de Melhor Atriz por A Dama de Ferro. Após 14 derrotas provavelmente ela esperava receber da Academia em um futuro próximo um Oscar honorário, o que certamente deverá ocorrer. Tomara que demore bastante para isso acontecer e que ela receba outras indicações antes, afinal ela é a imagem perfeita do que representa o cinema e sua história profissional está totalmente envolvida com a da premiação. 

E o Brasil novamente saiu de mãos abanando da festa. Havia muita esperança de que o Oscar de Melhor Canção viria pela animação Rio, mas novamente a nostalgia falou mais alto. Os simpáticos e velhinhos bichinhos de Os Muppets levaram a melhor na categoria com a música “Man or Muppet”. Nessa área o processo de classificação é um tanto esquisito e isso se reflete sempre nos resultados. Há muito tempo nenhuma canção vencedora do prêmio se torna um sucesso nas rádios ou de vendas e com a eleita de 2012 não será diferente. Funciona bem dentro do filme apenas. 
Para não dizer que a festa só teve clima nostálgico, Os Descendentes levou o prêmio de Melhor Roteiro Adaptado e Millennium – Os Homens Que Não Amavam as Mulheres faturou o prêmio de edição, o que surpreendeu até a própria equipe vencedora. O visual surreal de Rango levou o cineasta Gore Verbinski a ser premiado na categoria Melhor Filme de Animação. Curiosamente, os elementos diferenciados deste desenho não escondem o seu tom de homenagem aos clássicos do gênero western e alguns sucessos da história mais recente do cinema. Olha a nostalgia de novo marcando presença. Na categoria de filme de língua estrangeira não foi surpresa o Irã vencer por A Separação, afinal faturou todos os prêmios da temporada, mas aqui sim foi um passo a frente que a Academia deu. Oferecer o Oscar a um país que há anos está em guerra com os EUA é um ato corajoso e louvável, provando amadurecimento dos votantes que não se deixaram influenciar ou serem amedrontados por agentes externos. 
Enfim, o Oscar 2012 merece ser refletido. O que foi exaltado nesta edição mostra que é preciso olhar com um pouco mais de atenção o passado do cinema para verificar se os caminhos traçados para o futuro desta arte estão realmente corretos. Um filme só vale a pena realmente se as imagens e os sons transportarem o espectador para dentro da história com o auxílio de algum utensílio extra? A imaginação do público já não é mais o suficiente para envolvê-lo? É preciso entregar tudo mastigadinho ou ainda temos a capacidade de apenas olhando cenas sem diálogos compreender uma trama? Os atores de antigamente ainda tem o que oferecer ou conseguem trabalhos e são premiados apenas por bondade?  Após anos de premiações mornas e com títulos que hoje escapam facilmente da nossa memória, finalmente temos uma edição do evento memorável e que faz jus a fama de “a maior festa do cinema mundial”.
Confira abaixo o vídeo com todos os vencedores do Oscar 2012
video

Vencedores do Oscar 2012

Filme - O Artista
Diretor - Michel Hazanavicius, por O Artista
Ator - Jean Dujardin, por O Artista
Atriz - Meryl Streep, por A Dama de Ferro
Ator Coadjuvante - Christopher Plummer, por Toda Forma de Amor
Atriz Coadjuvante - Octavia Spencer, por Histórias Cruzadas
Roteiro Original - Meia-Noite em Paris
Roteiro Adaptado - Os Descendentes
Filme de Animação - Rango
Filme Estrangeiro - A Separação, do Irã
Fotografia - A Invenção de Hugo Cabret
Edição - Millennium - Os Homens Que Não Amavam as Mulheres
Direção de Arte - A Invenção de Hugo Cabret
Figurino - O Artista
Maquiagem - A Dama de Ferro
Trilha Sonora - O Artista
Canção - "Man or Muppet", de Os Muppets
Mixagem de Som - A Invenção de Hugo Cabret
Edição de Som - A Invenção de Hugo Cabret
Efeitos Visuais - A Invenção de Hugo Cabret

2 comentários:

renatocinema disse...

Com o prêmio de Streep o resto, na minha opinião, ficou em segundo plano. Ela merecia e merece.

Cíntia Nogueira (cintiana2) disse...

Bem, eu gostei bastante da premiação, esse fato de premiar filmes que homenageam o cinema no início, me dá uma ideia de louvor a qualidade, pois um filme não precisa de tecnologia para ser bom. Esse caminho de fazer filmes cada vez mais comercial com grande quantidade de efeitos especiais, e apenas por dinheiro, pode deixar de lado algo muito importante, uma história de qualidade. O artista realmente mereceu ( e Hugo também), pois todos os dois são belas histórias de amor ao cinema, filmes realmente bons, mostrando um cinema com qualidade, como arte e não só como meio de ganhar dinheiro. Gostei do recado dado.

Você também pode gostar de:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...