domingo, 31 de julho de 2011

FESTIVAL DE FÉRIAS - HAIRSPRAY, EM BUSCA DA FAMA

Infelizmente as férias chegaram ao fim. Neste domingo é o último dia para muita gente aproveitar o tempo sem se preocupar com compromissos, por isso hoje a dica é assistir um filme divertido e agitado para manter o alto astral, mas já aquecer para a volta as aulas ou ao trabalho. A sugestão é Hairspray - Em Busca da Fama (2007), um musical com um elenco espetacular, mas, como todos os títulos do gênero, divide opiniões. Milhões de pessoas se renderam às gargalhadas e não resistiram e acabaram dançando ao som da animada trilha sonora. Na mesma proporção, há quem critique e até se irrite com tanta cantoria. É preciso deixar a alegria falar mais alto para poder aproveitar esta obra cujas duas horas passam voando, visto a quantidade de passagens e personagens que o roteiro oferece. O diretor Adam Shankman fez a adaptação para o cinema do famoso musical da Broadway, que inclusive já teve a versão brasileira, mas esta deliciosa história já teve outra versão cinematográfica. O excêntrico cineasta John Waters baseou-se em suas memórias de infância para criar um de seus trabalhos mais famosos, Hairspray - E Éramos Todos Jovens. O longa se tornou um cult movie instantâneo e foi sucesso de crítica e público. Tanto o filme dos anos 80 quanto o mais recente são exagerados e coloridos, mas o antigo fica em desvantagem em alguns pontos em relação a sua reinvenção. Envelheceu bastante e o visual kitsch pode incomodar, além de que não era assumidamente um musical. De qualquer forma, ambos são divertidos e marcaram época. E ainda continuam.

sábado, 30 de julho de 2011

FESTIVAL DE FÉRIAS - ALÉM DA VIDA

Todo mundo pelo menos uma vez já se perguntou como seria a vida depois da morte e esse é um tema bem intrigante que acaba chamando a atenção de muita gente, independente da religião, pois diz respeito a uma dúvida universal. Por mais estudos e relatos que possam ser encontrados, ninguém sabe ao certo como seria o paraíso e o inferno ou o que nos espera depois que partimos, mas o cinema está aí para criar e perpetuar imagens e já dá para ter uma idéia de como funciona o além. Ficcionais ou não, elas nos confortam ou nos amedrontam para mudarmos nossas condutas e pensamentos. O espiritismo tem sido uma corrente forte no cinema nacional, mas parece que a onda atravessou os oceanos e tem se espalhado por outros países. Claro que os mistérios que envolvem o tema já esteve presente em inúmeras produções de terror e suspense e em alguns bem intencionados dramas e até em comédias, mas agora parece que o assunto vem sendo tratado com mais respeitado e levado realmente a sério. Para quem gosta do assunto, neste último sábado de férias a dica é assistir ao melancólico Além da Vida (2010), um interessante trabalho que leva a assinatura do diretor Clint Eastwood.

EM CARTAZ... HAPPY FEET 2


Foi divulgada a imagem do cartaz de uma das mais aguardadas animações do ano. Happy Feet 2 é a continuação do grande sucesso de 2006 que conquistou crianças e adultos e ainda faturou o Oscar de Melhor Animação. A arte já deixa claro que o sapateado do pinguim protagonista não o abandonará nesta segunda aventura, até porque este pôster lembra bastante os cartazes do longa original. A novidade fica por conta do aviso do uso do formato 3D, a febre que tomou conta do mercado de animações. O elenco de dubladores da versão americana é de peso e conta com os nomes de Elijah Wood, Robin Williams, Brad Pitt, Matt Damon e até da cantora Pink. A estréia nos EUA está marcada para o dia 18 de novembro e no Brasil a previsão é que o desenho seja lançado na semana seguinte.

EM CARTAZ... O ESPETACULAR HOMEM-ARANHA


O primeiro pôster da nova aventura do Homem-Aranha foi divulgada. Ele lembra muito aos cartazes utilizados na campanha de lançamento do primeiro filme da franquia regida pelo cineasta Sam Raimi. O Espetacular Homem-Aranha na verdade não tem nada a ver com a série de títulos do herói estrelada pelo ator Tobey Maguire. Após uma trilogia bem sucedida, o ator não topou participar de um quarto episódio e outros problemas também contribuíram para que os trabalhos em cima da produção fossem cancelados. Mesmo sendo sucessos recentes, a Columbia Pictures resolveu investir em uma reinvenção do herói. O novo longa será dirigido por Marc Webb, de 500 Dias Com Ela, e Andrew Garfield, de A Rede Social, terá a honra de vestir o uniforme, enquanto o vilão Lagarto será vivido por Rhys Ifans, de Um Lugar Chamado Notting Hill. A previsão de estréia mundial é para julho de 2012.

A VIAGEM AO INFERNO CONTINUA


Em 2005, o longa Wolf Creek - Viagem ao Inferno chocou ao apresentar um terror que envolve mutilações e pressões psicológicas sob a propaganda de ser baseado em fatos reais ocorridos com turistas em uma região desértica da Austrália. Agora, o diretor e roteirista Greg McLean quer fazer uma sequencia da fita que ele mesmo dirigiu e já conta com o ator John Jarratt para interpretar novamente o psicopata Mick Taylor. Nenhum outro ator foi escalado e nem mesmo detalhes da história foram divulgados, mas as filmagens devem começar no início de 2012. Sem data prevista de estréia, os realizadores prometem que o longa vai ser mais assustador que o original. Vamos aguardar.

sexta-feira, 29 de julho de 2011

WYATT EARP NOVAMENTE NOS CINEMAS


Wyatt Earp é um lendário nome do faroeste que já apareceu em outras produções cinematográficas, inclusive já deu título a sua cinebiografia estrelada por Kevin Costner em 1994. Agora, Harrison Ford assinou contrato para revivê-lo em Black Hats, ainda sem título em português. O projeto é uma adaptação do livro de Max Allan Collins lançado em 2007. Sob o pseudônimo de Patrick Culhane, ele é autor conhecido pelos quadrinhos de Batman e pelo livro que deu origem ao filme Estrada para Perdição. A produção ainda não tem data para começar a ser filmada e tampouco para ser lançada, mas é certo que haverá concorrência. Pelas mãos de Sam Raimi, é previsto para estrear no ano que vem Earp: Saints for Sinners, baseado em quadrinhos e que terá o mesmo personagem principal. Geralmente quando há dois projetos envolvendo um mesmo personagem, a tendência é que um não saia do papel e as vezes nem o que é realizado se dá bem. Alguém se lembra da disputa pela história de Alexandre, O Grande? Baz Luhrmann desistiu e Oliver Stone seguiu em frente, mas amargou um tremendo fracasso. Vamos ver o que acontece com o herói do oeste.

FESTIVAL DE FÉRIAS - WALLACE E GROMIT EM A BATALHA DOS VEGETAIS

As férias estão quase no fim, mas nem por isso é preciso deixar de se divertir e ficar pensando na escola ou no trabalho. Hoje uma boa opção é escolher uma boa comédia em desenho animado como Wallace e Gromit - A Batalha dos Vegetais (2005), uma deliciosa produção feita com a técnica do stop-motion, o velho truque de movimentar bonecos feitos de massinha. Com um visual coloridíssimo e muito chamativo, esta animação é uma das melhores dos últimos tempos e encanta por seu detalhismo e roteiro afinado. Das mentes criativas de Steve Box e Nick Park, a dupla formada pelo inventor atrapalhado e seu fielmente companheiro canino ficaram famosos a partir de uma série de premiados curtas-metragens que também fizeram a fama do estúdio Aardman, o mesmo que lançou A Fuga das Galinhas.

quinta-feira, 28 de julho de 2011

FESTIVAL DE FÉRIAS - 15 MINUTOS

A imprensa a favor do espetáculo. O criminoso se transformando em artista. Esses temas são recorrentes na atualidade, mas o cinema prova que eles já estão presentes na cultura mundial há anos. Certamente a exploração da imagem de um bandido a ponto dele ser elevado a posição de celebridade ou ainda há maneira como os jornalistas assediam os envolvidos a favor da lei e da ordem, como os policiais e investigadores, causam repúdio em muita gente e isso deve ter levado o diretor a escolher o assunto para enfocar no thriller de ação 15 Minutos (2001). Cheio de boas intenções, ele conseguiu construir um longa que prende a atenção com um roteiro com boas idéias, mas que não se aprofunda na discussão do tema principal, mas nada que atrapalhe o espetáculo, afinal o longa foi projetado para atender as grandes platéias e tem caráter estritamente comercial.

O BOM HUMOR DE DIANE KEATON


Ela é reconhecida como uma grande humorista, mas já brilhou também em papéis sérios e até já se arriscou a trabalhar atrás das câmeras. Para muitos a melhor época de sua carreira ficou lá atrás entre as décadas de 70 e o início da de 80, quando era a musa e companheira do cineasta Woody Allen. Diane Keaton é uma grande atriz que está em uma fase em que só quer se divertir ou então o cinema a deixou de lado. Infelizmente, ela tem se envolvido em projetos menores e que passam longe de serem marcantes, mas sua filmografia não pode ser desprezada. Ela já tem um Bafta, dois Globos de Ouro e um Oscar em sua estante. No prêmio da Academia de Cinema ela concorreu outras três vezes, curiosamente uma indicação por década. A última vez foi em 2004 com Alguém Tem Que Ceder dividindo os créditos com Jack Nicholson, ambos vivendo pessoas que estão passando pelos dilemas de envelhecer, mas sem perder o espírito jovem e até engatando um romance.

quarta-feira, 27 de julho de 2011

FESTIVAL DE FÉRIAS - UM LUGAR QUALQUER

Considerar um filme ótimo, regular ou ruim, não importa, qualquer uma dessas opções são praticamente impossíveis de serem unânimes. Cada um avalia de uma maneira diferenciada e isso varia muito devido a fatores ligados a educação, costumes, repertório cultural, entre tantos outros. Por isso, na maioria das vezes, as obras super elogiadas por críticos não correspondem as expectativas do público. Os críticos, profissionais ou não, geralmente se baseiam no histórico dos profissionais envolvidos e até recorrem as suas memórias de projetos parecidos com o objeto em questão para tecer seus comentários. Os espectadores já têm uma percepção mais simplória e direta, mas nem por isso deixam de fazer comparações com alguma produção que já tenham visto. É dessas maneiras distintas que tem sido avaliado Um Lugar Qualquer (2010), de Sofia Coppola. A dica de hoje não é uma obra arrebatadora, mas é admirável quando não apreciada de forma superficial.

ESQUECERAM DE... O VESTIDO

O cinema nacional vive em constante ascensão desde o ano 2000, com trabalhos que levaram multidões aos cinemas e depois fizeram sucesso no mercado de locação, mas ainda assim existem excelentes trabalhos que passaram despercebidos e, mesmo sendo relativamente recentes, hoje são raridades no mercado. Esse é o caso de O Vestido (2003), um belo filme contemporâneo baseado no poema de Carlos Drummond de Andrade intitulado "Caso do vestido". O diretor Paulo Tiago, de Policarpo Quaresma - Herói do Brasil, e o roteirista Haroldo Marinho tiveram bastante trabalho para transformar a linguagem poética de versos em um roteiro verossímil, mas o resultado é muito satisfatório.

terça-feira, 26 de julho de 2011

FESTIVAL DE FÉRIAS - OS ÚLTIMOS PASSOS DE UM HOMEM

Mais uma semana chegando ao fim, mas antes da diversão do fim de semana ainda dá tempo para assistir um bom drama reflexivo. A sugestão desta quinta é uma história um tanto pesada e com um tema polêmico, mesmo já sendo uma produçãocom um bom tempo de existência, mas que desperta importantes discussões. Os Últimos Passos de Um Homem (1995) é um trabalho excepcional de direção de Tim Robbins, também um conceituado ator e conhecido por suas manifestações contrárias a política americana, assim como sua esposa e protagonista nesta obra, Susan Sarandon, que ganhou o Oscar com sua interpretação emocionante de uma freira dividida em uma questão onde não há lado completamente certo ou errado. Ela fica em uma encruzilhada e graças a sua sensibilidade consegue fazer com que o espectador viva junto com ela intensamente este período de indefinição e agonia.

O HOMEM BORRACHA


Este título não se refere ao filme de um super-herói. Pelo menos não na figura clássica que conhecemos com capa e escudo no peito. Depois que os extraterrestre ganharam corpos, rostos e movimentos, houve a perfeita integração entre desenho animado e cenários e atores reais e ainda os dinossauros foram recriados com total perfeição, parecia que os efeitos especiais já haviam proporcionado o máximo que podiam ao cinema. Porém, em 1994, uma comédia trouxe mais novidades na área além de fazer despontar um astro do humor e ser a porta de entrada para uma linda mulher brilhar no cenário cinematográfico. O Máskara trouxe certo frescor ao surrado campo do humor tanto com seu visual quanto com seu elenco. Jim Carrey viu da noite para o dia sua conta bancária transbordar ao encarnar um sujeito amalucado e com rosto esverdeado. Aproveitando seu talento para fazer as platéias rirem e suas maleáveis expressões corporais e faciais, o diretor Charles Russell criou o personagem especialmente para o ator, este que na realidade faz praticamente dois papéis no longa. Ele aparece muito atrapalhado e tímido vivendo o bancário Stanley Ipikiss, um rapaz muito bonzinho, mas que está sempre se dando mal. Quando ele encontra por acaso uma antiga máscara e resolve usá-la algo inusitado ocorre. Ele se transforma no Máskara, um tipo de super-herói brincalhão que literalmente sempre tem um truque nas mangas para se safar de situações de perigo e dar uma lição em quem merece. Ele entra em uma enrascada ao flertar com a cantora e dançarina Tina Carlyle (Cameron Diaz) que é namorada do gângster Dorian Tyrrell (Peter Greene), este que, além de não perder sua garota, também quer usufruir dos poderes da tal máscara.

segunda-feira, 25 de julho de 2011

FESTIVAL DE FÉRIAS - A VIAGEM DE CHIHIRO

A última semana de férias está começando e é preciso aproveitar ao máximo os últimos momentos de descanso. Nada melhor que uma boa animação para tanto. A sugestão de hoje é A Viagem de Chihiro (2001), um leve e engenhoso desenho de origem japonesa que tornou famoso mundialmente o seu criador, Hayao Miyazaki. A obra ganhou o Urso de Ouro do Festival de Cinema de Berlim e a partir daí iniciou uma jornada rumo ao sucesso que culminou no Oscar de Melhor Animação. Curiosamente, a obra foi distribuída de forma muito modesta no mercado americano pela Disney, que comprou a produção após o primeiro grande prêmio por ela conquistado, e, pouco a pouco, a fita nipônica foi conquistando seu espaço e roubando o público das produções da casa do Mickey naquele período, diga-se de passagem, bem fraquinhas. No Brasil, a obra foi muito aguardada e uma grande legião de fãs do desenhista foi formada. Já em sua terra natal, conquistou a maior bilheteria da história até então.

domingo, 24 de julho de 2011

FESTIVAL DE FÉRIAS - A VIDA É BELA

Domingão é dia de família reunida em casa e uma ótima ocasião para assistir um dos mais belos e emocionantes filmes de todos os tempos. A Vida é Bela (1997) desde seu lançamento já era considerado um clássico do cinema italiano e, tal qual um bom vinho, quanto mais o tempo passa, melhor ele fica. É impossível não se envolver, se emocionar e até derrubar algumas lágrimas com esta belíssima produção dirigida e estrelada, além de co-produzida e co-escrita, por Roberto Benigni, porém muitas pessoas até hoje não assistiram, seja por puro preconceito por ser um produto oriundo da Europa, estigmatizado como obras muito dramáticas e de ritmo lento, ou, o mais comum, por ele ter tirado do Brasil a chances de ganhar um Oscar. Na ocasião, Central do Brasil e esta fábula sobre o Holocausto estavam páreo a páreo disputando nas principais premiações. Os dois filmes são excelentes e merecem todas as atenções e elogios, mas é preciso deixar o patriotismo um pouco de lado para poder aproveitar ao máximo os dois trabalhos.

sábado, 23 de julho de 2011

FESTIVAL DE FÉRIAS - JOHNNY E JUNE

Nas noites de sábado, muitas pessoas gostam de ir a shows para curtir uma boa música, relaxar e se divertir. Por isso, a sugestão de filme de hoje é literalmente um show tanto musical quanto de atuações. Joaquim Phoenix e Reese Witherspoon se entregaram completamente aos seus personagens em Johnny e June (2005), inclusive soltando a voz interpretando canções que fizeram muito sucesso nos anos 60. A produção se concentra na relação conturbada que viveram Johnny Cash e June Carter, duas pessoas que sonhavam em viver do trabalho nos palcos, mas cujas vidas pessoais rendiam muito mais notícias à imprensa e críticas da sociedade conservadora. O diretor James Mangold construiu um belo e correto drama que emociona na medida certa e sem necessidades de forçar situações para levar o público as lágrimas. As canções inseridas estrategicamente ajudam a deixar a narrativa mais leve e funcionam perfeitamente para pontuar momentos das vidas dos artistas.

sexta-feira, 22 de julho de 2011

FESTIVAL DE FÉRIAS - DE REPENTE 30

Sexta-feira é dia de se divertir bastante, apesar de que para quem está de férias todo o dia é dia de muita alegria. Para começar bem o fim de semana, a dica de hoje é voltar no tempo e curtir os agitados anos 80, mas sem precisar recorrer a um título muito antigo. A sugestão é assistir De Repente 30 (2004), uma deliciosa comédia contemporânea, mas com um ar irresistivelmente nostálgico. A todo o momento, diversas citações musicais ou de hábitos de consumo tratam de fazer o espectador viajar ao passado sem muito esforço, mas sem perder o foco na relação amorosa entre duas pessoas que o tempo acabou estremecendo. O diretor Gary Winick era um especialista em comandar produções do tipo água com açúcar, como Cartas Para Julieta, seu derradeiro trabalho, e aqui não fez diferente. Misturou romance e humor nas doses certas para atingir platéias de diferentes faixas etárias.

quinta-feira, 21 de julho de 2011

FESTIVAL DE FÉRIAS - MANUAL DO AMOR

Nesta quinta-feira a sugestão é mudar de ares e experimentar uma agradável comédia romântica que provavelmente se você a visse na locadora não daria nada por ela. No entanto, é muito bom quando acabamos nos surpreendendo com algo inesperado. Essa é a situação que você deve passar ao assistir Manual do Amor (2005) uma interessante opção vinda da Itália que foge do esquema hollywoodiano de fazer cinema e provoca boas risadas. A forma encontrada pelo diretor Giovanni Veronesi para amarrar quatro histórias que falam sobre a busca pelo amor é um dos pontos fortes do longa. Elas são como curtas-metragens anunciadas por um título que resume em uma única palavra o tema principal das sequências. O cineasta tomou o cuidado de sempre deixar um gancho de um trecho para o outro, porém todos os contos também podem ser apreciados de forma independente, pois eles só são introduzidos na parte anterior, mas os conteúdos não têm ligações.

RALPH FIENNES, UM NOME DE PESO E TALENTO


Ele é mais conhecido por suas interpretações fortes e dramáticas, tem vários longas premiados e muito elogiados em seu currículo e é dono de expressões e gestos mais contidos e sisudos. Apesar disso, como deve fazer um bom ator, vez ou outra ele faz alguma comédia ou projeto mais leve para descansar e mostrar um outro lado seu. Ralph Fiennes é um inglês muito talentoso que se equilibra muito bem entre o cinema comercial e o cabeça e, curiosamente, é comum que seus trabalhos destinados ao grande público também ganhem reconhecimento da crítica, uma mostra de que ele tem bom faro para escolher os produtos que vão ostentar seu nome nos cartazes. Assim, ele trabalhou com cineastas cultuados como Steven Spielberg, Neil Jordan, David Cronenberg e até o brasileiro Fernando Meirelles.

quarta-feira, 20 de julho de 2011

FESTIVAL DE FÉRIAS - OS SUSPEITOS

Nesta quarta-feira a dica é assistir a um bom filme policial, um gênero que, apesar de quase sempre oferecer o arroz com feijão de sempre e final previsível, as vezes surpreende com uma narrativa bem amarrada e que segura o suspense até os últimos minutos. A sugestão de hoje é desse tipo. Os Suspeitos (1995) é uma intricada trama cujo roteiro foi merecidamente agraciado com o Oscar. Livremente inspirado no clássico O Segredo das Jóias, um filme com estilo noir que o famoso John Huston dirigiu em 1950, o diretor Bryan Singer, que ficou em evidência nos últimos tempos por causa de suas aventuras com os mutantes dos quadrinhos "X-Men", construiu uma boa história sobre homens que sonhavam em chegar ao topo, mas que seguiram caminhos errados para tanto e terminaram encontrando a própria desgraça. Para contar essa história, o cineasta contou com um elenco de peso e afiado.

ESQUECERAM DE... EU, MEU AMIGO E O ARMÁRIO!

Apesar de muitos decretarem a morte do mercado de vídeo doméstico há anos, as vezes acontecem coisas que nos fazem crer que ele ainda tem muito tempo de vida. Entre 2006 e 2008, diversas distribuidoras novas surgiram, claro que oferecendo produções menores, desconhecidas e praticamente sobrevivendo apenas com produtos lançados diretamente para DVD sem passagem pelos cinemas. Algumas delas seguiram adiante e outras não ficaram nem um ano em atividade. Apesar de muitos títulos de gosto duvidosos que as precocemente falidas trouxeram para o Brasil, há também excelentes produções que passaram despercebidas e que merecem serem descobertas. Este é o caso da comédia Eu, Meu Amigo e o Armário! (2005), escrita e dirigida por Dave Diamond que se inspirou em O Closet, produção francesa que fez muito sucesso nos circuitos alternativos de cinema.

terça-feira, 19 de julho de 2011

FESTIVAL DE FÉRIAS - DON JUAN DEMARCO

Mais uma terça-feira e hoje a dica é assistir o filme que aumentou a fama de galã do ator Johnny Depp. Don Juan DeMarco (1995) atravessa os anos em bom estado, assim como a figura lendária do eterno sedutor, um personagem real que viveu na Espanha. Um dramaturgo oriundo do mesmo país que o conquistador, Tirso de Molina, se inspirou em sua lenda para escrever o drama em versos "O Trapaceiro de Sevilha e o Convidado da Pedra", datado de 1630. A partir deste momento, o don Juan se inseriu definitivamente na cultura européia e a versão cinematográfica tratou de levar sua fama para todo o mundo, apesar de muitos outros títulos terem destacado e perpetuado a imagem dos conquistadores com sangue quente, como a ópera Don Giovanni composta por Mozart e que teve sua versão de cinema produzida no final dos anos 70 explorando o mito de Don Juan Tenório.

ELA É O DIABO!


Em 1973, um gênero que estava fadado a disputar público com as comédias ou viver de nichos específicos foi salvo do limbo. O terror, cerca de dez anos antes, era dominado pelos filmes de monstros e trashs que até podiam causar um ou outro susto, mas a quantidade de risos eram superiores. Foi uma menina com o demônio no corpo literalmente que salvou o cinema de horror de afundar na lama de vez. O Exorcista chegou com tudo e espantou o mundo todo com suas conquistas, mas muito também pelas suas histórias de bastidores. Até hoje, as lendas de que a produção, elenco e até amigos ou familiares de pessoas envolvidas no projeto foram amaldiçoadas arrepiam muita gente. Bem, de pessoas próximas que sofreram algum infortúnio realmente deve ter sido apenas uma infeliz coincidência, mas de fato muitas mortes ocorreram durante as filmagens ou até mesmo algum tempo depois, incluindo o ator Jack MacGowran, que comete suicídio no início do filme, que partiu desta para melhor na vida real uma semana após concluir sua sequência no enredo. Tais boatos levaram e ainda levam muita gente a passar mal com o filme, porém, certamente contribuíram para que a aura misteriosa em torno da fita fosse perpetuada e mantivesse seu nome sempre em destaque. Não que esta produção precise disso, ela tem qualidades de sobra para sobreviver a ação do tempo, mas uma publicidade extra não faz mal algum. Uma bilheteria extraordinária, muitas indicações a prêmios, inclusive ao Oscar, coisa rara para produções do tipo, e frequentemente lembrado como um dos melhores filmes de todos os tempos, se havia alguma maldição rondando a obra, o tempo tratou de transformá-la em bênção, exceto no caso de suas continuações, totalmente desnecessárias e que não chegam aos pés do original.


segunda-feira, 18 de julho de 2011

FESTIVAL DE FÉRIAS - CISNE NEGRO

Mais uma semana começando e que tal aproveitar que deu para descansar no sábado e domingo para tirar o dia para assistir um filme mais denso e reflexivo? A dica de hoje é Cisne Negro (2010), um badalado título da safra do Oscar 2011 que uniu arte e entretenimento com perfeição, assim como reuniu em um mesmo longa drama e suspense em doses certas. O cultuado cineasta Darren Aronofsky, de obras de conteúdo forte e reflexivo como Réquiem Para um Sonho, construiu uma obra-prima usando como ponto de partida a idéia de que a busca pela perfeição exacerbada pode levar uma pessoa a loucura, a um mundo onde o real e o fictício se misturam e não se sabe onde um termina e o outro começa. A culpa não é exclusivamente do indivíduo, mas a sociedade influi muito exercendo uma pressão absurda cobrando resultados excepcionais o que leva a uma estafa mental e física e, consequentemente, a um quadro de problemas psicológicos.

domingo, 17 de julho de 2011

FESTIVAL DE FÉRIAS - A BELA E A FERA

Férias sem Disney não são férias de verdade. Por isso, a sugestão deste domingo é reunir a família para assistir um clássico da animação, A Bela e a Fera (1991). O desenho entrou para a história do cinema ao ser o primeiro longa do gênero a ultrapassar a barreira dos cem milhões de dólares nas bilheterias de todo o mundo e ao ser o único da categoria a ser indicado ao Oscar de Melhor Filme até 2010, quando a Academia de Cinema ampliou o número de concorrentes. Além desses motivos, o roteiro excepcional e o visual rico em detalhes e cores conquistaram as platéias e o carinho pelo filme vem sendo passado de geração para geração. Baseado no conto homônimo escrito por Jeanne-Marie Le Prince de Beaumont, a obra alia perfeitamente inocência com certa dose de ousadia por parte do estúdio, que usou técnicas de computação gráfica e desenho tradicional para criar cada fotograma.

sábado, 16 de julho de 2011

FESTIVAL DE FÉRIAS - A VILA

Mais um sabadão e hoje a dica é assistir um filme muito subestimado por grande parte do público, infelizmente, mas que merece uma revisão para quem sabe mudar a opinião daqueles que simplesmente classificam como lixo um dos melhores filmes produzidos nos últimos anos. A Vila (2004) é uma daquelas obras que podem não ser bem compreendidas na época de seu lançamento, mas certamente atravessará os anos em boa forma e levando sua mensagem reflexiva para novas platéias. Digna de verdadeiros estudos para dissecar a fundo seu excelente roteiro, esta produção também pode gerar interpretações diversas se analisarmos o estilo do diretor, M. Night Shymalan, e o que os espectadores esperam ver em um trabalho seu. É justamente aí que o caldo entorna: o público tem uma visão singular do cinema deste cineasta e ele, por sua vez, não quer se prender a um estilo, ou melhor, joga a isca vendendo seu peixe apostando no que deu certo uma vez, o suspense, mas sempre adota um viés diferente para contar suas histórias fantásticas.

EM CARTAZ... BATMAN - THE DARK KNIGHT RISES


O novo filme do Homem-Morcego, Batman - The Dark Knight Rises, está em fase de pré produção, mas o estúdio já investe em material publicitário para aguçar os fãs do herói. O pôster divulgado é bem estiloso ao mesmo tempo em que é simplório e nem mesmo possui um título estampado. Um cartaz impactante e muito eficiente. Como se diz, uma imagem vale mais que mil palavras e o desenho do morcego é inconfundível. No elenco estão Michael Caine, Marion Cotillard, Morgan Freeman, Gary Oldman, Liam Neeson, Joseph Gordon-Levitt e Tom Hardy. Novamente vestindo a roupa do herói está Christian Bale, enquanto Anne Hathaway faz sua estréia na franquia como a Mulher-Gato. A estreia é prevista para julho de 2012. 

EM CARTAZ... SHERLOCK HOLMES- A GAME OF SHADOWS


Um dos personagens mais clássicos do cinema fez seu retorno triunfal as telonas em 2009 e uma continuação era algo previsível. Sherlock Holmes: A Game of Shadows, ainda sem título em português, é o mais novo filme do famoso detetive interpretado mais uma vez por Robert Downey Jr. que emplaca assim a sua segunda franquia de sucesso no currículo (ele também vive o papel título de Homem de Ferro e em sua sequência). Um dos cartazes preparados destaca o protagonista e mais ao fundo seu fiel companheiro de investigações, o Dr. Watson, vivido por Jude Law. A direção é de Guy Ritchie, o mesmo que comandou a primeira aventura. O longa estréia nos cinemas americanos em dezembro, mas para o Brasil ainda não há data definida. 

sexta-feira, 15 de julho de 2011

FESTIVAL DE FÉRIAS - COLD MOUNTAIN

Os romances épicos fazem parte de um tipo de cinema que vira e mexe cai em desuso. Por questões de despesas e até mesmo modismos estéticos, as produções mais simples são privilegiadas enquanto aquelas que exigem um apuro maior da parte técnica e artísticas são consideradas verdadeiros riscos por parte dos estúdios. Já houve diversos títulos épicos de sucesso no passado, mas a lista de fracassos também é bem grande, incluindo vários de safras recentes. O estilo romântico ao extremo e a longa duração, além da pretensão de se tornar um marco na história cinematográfica do tipo E o Vento Levou, podem ser as razões do fracasso de público de Cold Mountain (2003), um filme superestimado pelo seu criador, o já falecido cineasta Anthony Minghella, mas subestimado pelas platéias e até por parte da crítica especializada. Uma grande injustiça feita a um belíssimo filme que não apresenta problemas a olhos nus. Talvez a rejeição que sofreu seja proveniente de histórias de bastidores que ganharam as páginas dos jornais e revistas.

quinta-feira, 14 de julho de 2011

FESTIVAL DE FÉRIAS - LOUCA OBSESSÃO

A semana está quase chegando ao fim e hoje a dica é assistir Louca Obsessão (1990), um ótimo suspense que ajudou a popularizar o nome de Kathy Bates. Hoje uma atriz muito conceituada, na época ela acumulava trabalhos pequenos em sua carreira no cinema, mas encontrou no papel de uma ex-enfermeira que sofre de desequilíbrio mental a grande chance para aparecer e aproveitou muito bem a oportunidade, tanto é que foi super premiada pela atuação, incluindo a conquista do Oscar. Para muitos as cenas entre ela e seu companheiro no longa James Caan são memoráveis e talvez nem o diretor Rob Reiner soubesse a repercussão que seu filme teria, já que ele é detentor de uma filmografia irregular e com incursões em diversos gêneros, como a aventura A Princesa Prometida, a comédia com temática infantil O Anjo da Guarda e o tocante Conta Comigo, seu mais famoso trabalho até então.

NICOLE KIDMAN, O RETRATO DE UMA MULHER DE SUCESSO


Ela sempre foi um das mulheres mais bonitas do cinema, estampou diversas capas de revistas no mundo todo, mas quase até completar duas décadas de dedicação ao cinema seu potencial de atriz ainda não havia sido testado e aprovado por completo. Nicole Kidman se tornou um nome forte e rentável nos anos 90, mas seu talento só foi reconhecido a partir de 2001 quando, por coincidência ou não, ela se separou de Tom Cruise, com quem foi casada por mais de dez anos. Assim, o seu brilho finalmente foi revelado e ela deixou de viver a sombra do marido famoso. Bem, era dessa forma que muita gente a via, uma mulher que se beneficiava da fama do companheiro, mas sua filmografia prova que, salvo um ou outro trabalho que fizeram juntos, ela não necessitava de um apoio do tipo para subir um por um os degraus do sucesso. E foi assim mesmo que aconteceu. O título do texto complementa o nome de um famoso filme da estrela, Retrato de Uma Mulher (1996), feito na época do auge da alcunha "Sra. Tom Cruise".

quarta-feira, 13 de julho de 2011

FESTIVAL DE FÉRIAS - CARROS

Férias de julho geralmente é regalia dos estudantes. Os adultos conseguem, com sorte, alguns dias ou semanas para descansar. Por isso é comum neste período um montão de desenhos animados invadirem os cinemas e a gurizada já fica atenta. Em casa, também são diversas as opções de animações para gostosas sessões da tarde e agradar toda a família. Hoje a dica é assistir Carros, um grande sucesso da Pixar e distribuído pela Disney. Aproveitando que já foi lançada a sequência, esta é uma boa hora para curtir as aventuras do carro de corridas Relâmpago McQueen e seus amigos mecânicos. O interessante roteiro tem ótimas sacadas e provoca riso fácil ao transportar situações do cotidiano dos humanos para o mundo habitado pelos automóveis. Até algumas piadas envolvendo alguns títulos de sucesso do cinema constam no roteiro, porém essas piadas não devem ser compreendidas pelas crianças, tampouco atrapalhar a diversão.

ESQUECERAM DE... SONHO PROIBIDO

Franco Zefirelli é um cineasta que divide a crítica. Já foi muito elogiado pelas transposições para o cinema de peças de Shakespeare e até de famosas óperas, porém, também é muito execrado por causa do forte sentimentalismo presente em seus trabalhos. Ele não busca fazer uma obra de arte com seus filmes, apesar de que o resultado geralmente seja próximo, mas busca fazer um cinema explicitamente mais comercial. Partindo de histórias clássicas que permitam que os personagens transitem em cenários de encher os olhos e vistam belos figurinos, o diretor procura sempre se cercar de um elenco de fora do território italiano visando que suas produções obtenham êxito em qualquer lugar que forem exibidas. Várias delas são de fácil acesso em lojas e locadoras, desde uma antiguidade como Irmão Sol, Irmã Lua até mais recentes como Chá com Mussolini, mas, infelizmente, algumas foram esquecidas, como, por exemplo, Sonho Proibido (1993).

terça-feira, 12 de julho de 2011

FESTIVAL DE FÉRIAS - A ÚLTIMA CEIA

Terça-feira, ainda estamos no início da semana, e há poucas opções para se fazer neste dia. Aproveitando que as noites nesta época do ano são frias, a pedida é ficar em casa e assistir a um bom drama tão frio e cruel quanto a realidade que nos aguarda fora do aconchego do nosso lar. A dica de hoje é A Última Ceia (2001), uma produção independente, com um orçamento baixo e que surpreende pelo seu excelente roteiro e a quantidade de prêmios a que concorreu e recebeu. Pouco a pouco esta pequena obra foi conquistando espaço e acabou entrando para a história do cinema ao dar o Oscar de Melhor Atriz para uma negra, a atriz Halle Berry, que após muitos papéis pequenos em filmes de pouca repercussão ou até obscuros finalmente conseguiu ter seu trabalho reconhecido. Ela atingiu uma interpretação forte e corajosa para os padrões hollywoodianos pelas mãos do versátil cineasta Marc Forster, de O Caçador de Pipas, que construiu uma obra inquietante.

UM BEIJO POR UMA VIDA


Em 1959, mais um grande projeto dos estúdios Disney ganhava as telas de cinemas. Considerado até hoje um dos mais ambiciosos longas de animação e também a mais cara produção do gênero até então, A Bela Adormecida eternizou com muitas cores, humor, romantismo e uma boa dose de suspense o conto de fadas homônimo escrito por Charles Perrault. A equipe de desenhistas caprichou no visual construindo ambientes bem elaborados e personagens o mais próximos possível do real. Para tanto, até atores colaboraram servindo de modelos para contar a história de Aurora, uma bela e jovem princesa que foi amaldiçoada ao nascer pela bruxa Malévola, uma figura medonha que, apesar de não ser mais considerada fada ao trocar o lado do bem para o do mal, se sentiu ofendida por não ter sido convidada para o batizado. A feiticeira então lançou uma maldição sobre a menina: ao completar 16 anos de idade ela perfuraria o dedo no fuso de uma roca e mergulharia em um sono eterno. Sorte que a princesinha tinha outro presente para receber de uma fada bondosa e foi agraciada com uma possível solução, mas que dependeria do amor de um homem para funcionar. Somente um beijo de amor verdadeiro salvaria sua vida. A garota cresceu escondida na floresta na casa das fadas Flora, Fauna e Primavera, mas quando o feitiço estava prestes a se quebrar o esconderijo foi descoberto. O tal presente do mal se concretiza e com Aurora adormecida as fadinhas acabam colocando também todo o reino em um sono profundo até que um rapaz corajoso aparecesse para dar um beijo apaixonado nela.

segunda-feira, 11 de julho de 2011

FESTIVAL DE FÉRIAS - CÃO DE GUARDA

A segunda semana de férias está começando e hoje a dica é uma agradável comédia lançada há um bom tempo, mas disponível em DVD. Cão de Guarda (1992) é um trabalho pouco lembrado do grande Jack Nicholson e que merece uma revisão por parte do público. O ator aceitou participar desta modesta produção porque a direção ficou a cargo de Bob Rafelson, cineasta com o qual trabalhou diversas vezes e que o ajudou a galgar os primeiros degraus da fama quando indicou o astro ao diretor Dennis Hopper para o elenco de Sem Destino, primeira grande chance do veterano intérprete. Na época de seu lançamento, as bilheterias não corresponderam, mas existem filmes que realmente se adaptam melhor na telinha da TV (expressão ultrapassada atualmente com a grande oferta de produtos que transformam uma simples sala de estar em um verdadeiro cinema). A história conta realmente com um cão treinado para o serviço de guarda-costas, o pastor alemão Duke. Porém, o roteiro passa longe de ser infantilizado e repleto de animais fofinhos para emocionar o público. O humor ácido e rocambolesco é um convite aos adultos para uma divertida sessão.

domingo, 10 de julho de 2011

FESTIVAL DE FÉRIAS - A CASA DOS ESPÍRITOS

Domingo é dia de descansar e se esquecer do relógio, não há hora marcada para nada e existe a disponibilidade de muito tempo livre. Assim, essa é uma ótima oportunidade para assistir um filme que exige um pouco mais de compenetração. A dica de hoje é conferir A Casa dos Espíritos (1993), um dos títulos mais comentados e cultuados de todos os tempos. Desde já um aviso: apesar do nome, não há resquícios de terror ou suspense na obra. Baseado no romance homônimo escrito por Isabel Allende, este é um dos vários casos em que o casamento entre cinema e literatura deu certo e cujo resultado positivo já dura vários anos. Até hoje o livro é um dos mais procurados no mundo todo e não pára de ser republicado e o longa metragem é lembrado como um belo épico que reuniu um elenco excepcional para contar uma emocionante saga familiar ao mesmo tempo em que traça um panorama histórico do Chile da década de 20 até os anos 70 através das passagens de tempo. Também merece destaque a criação de um rico leque de personagens que permitem uma análise da obra por diversos ângulos.

sábado, 9 de julho de 2011

FESTIVAL DE FÉRIAS - 127 HORAS

Sábado é um excelente dia para assistir a um lançamento. Independente de ver agora ou só mais para frente, a dica de hoje é uma boa opção para qualquer momento, até porque o seu enredo é atemporal. O longa está sendo sugerido por causa de sua narrativa e proposta estética diferenciadas. 127 Horas (2010) é um pequeno drama que galgou os degraus do sucesso e chegou a concorrer aos principais prêmios da temporada, inclusive o Oscar. O cineasta Danny Boyle, que faturou diversos prêmios com Quem Quer Ser um Milionário?, se baseou na história verídica de um rapaz que virou assunto jornalístico no mundo todo ao ficar preso durante cinco dias entre os rochedos do Grand Canyon e ver como única saída amputar o próprio braço. A façanha de sair vivo correu o mundo e era apenas questão de tempo essa lição de superação se tornar roteiro de cinema. E o melhor de tudo, você não vai se debulhar em lágrimas.

sexta-feira, 8 de julho de 2011

FESTIVAL DE FÉRIAS - DEMOLIDOR, O HOMEM SEM MEDO

Sexta-feira é dia de relaxar e já se preparar para o fim de semana, por isso hoje a dica é assistir uma aventura para se divertir sem esquentar a cabeça. A sugestão é assistir uma produção baseada em quadrinhos. Filmes de heróis já é um subgênero consagrado e explorado aos montes há várias décadas, mas talvez nunca a onda foi tão forte como a que foi iniciada em 2000. De lá para cá, muitas HQs ganharam sua versão em carne e osso, geraram continuações, venderam milhares de bugigangas com a logomarca, mas nem todas foram o sucesso esperado, como Demolidor - O Homem sem Medo (2003). Realmente sua história e seus efeitos especiais levam vários banhos de água fria se comparado com X-Men ou Homem-Aranha, por exemplo, mas não deixa de ser uma produção que cumpre muito bem aquilo que promete: simplesmente divertir.

quinta-feira, 7 de julho de 2011

FESTIVAL DE FÉRIAS - CHOCOLATE

Estamos no inverno e nessa época do ano, independente do dia ser ensolarado ou não, certamente quando o sol começa a se pôr o tempo começa a esfriar e deixa um ambiente propício para comer algumas coisinhas gostosas acompanhadas de bebidas quentes. Tem gente que aguarda ansiosamente essa estação e torce para que o clima colabore só para ter esse gostinho. Realmente, vale muito a pena. Para deixar esse momento ainda mais agradável, a dica é assistir Chocolate (2000), um delicioso filme que certamente vai mexer com seu apetite e suas emoções. O cineasta Lasse Hallstrom é um mestre em dramas e tem uma tocante filmografia. Aqui ele se baseou no romance homônimo de Joanne Harris para criar uma obra com toques de fantasia, quase uma fábula, que mistura nas doses certas romance, comédia e drama, além de um visual encantador que nos leva a um passeio nostálgico pelo qua há de mais simplório na Europa de décadas atrás.

JIM CARREY DOS RISOS ÀS LÁGRIMAS


Ele sempre teve o dom de fazer as pessoas gargalharem, inclusive sem falar ou fazer movimento algum. Basta seu rosto aparecer na tela e os risos estão garantidos. Com uma elasticidade corporal e facial impressionantes, ele estrelou dezenas de comédias, mas provou que não é só isso que sabe fazer. Tornou-se uma figura respeitável também ao se aventurar nas produções dramáticas e até flertou com o suspense. Assim é Jim Carrey, um dos atores mais admirados em todo o mundo e, apesar de muita gente não gostar de suas performances, é inegável que ele é muito talentoso e não tem medo de se expor. Até quando aparece como ele próprio, o bom humor e as piadas o acompanham na bagagem.

quarta-feira, 6 de julho de 2011

FESTIVAL DE FÉRIAS - MATINEE, UMA SESSÃO MUITO LOUCA

Quarta-feira é popularmente conhecido como um dia promocional nos cinemas, mas você também pode fazer uma bela sessão de filmes em casa sem perder o clima de estar em uma sala com tela grande. Por isso a dica de hoje é curtir Matinee - Uma Sessão Muito Louca (1993), uma divertida comédia com apelo nostálgico. O diretor Joe Dante, especialista em produções tipo B, sempre gostou da união de elementos de terror e de humor e usou todo seu repertório cultural do assunto para realizar esta homenagem aos trashs movies. Em sua filmografia, a cultura de massa oriunda dos anos 50 e 60 é a sua matéria-prima básica e até Steven Spielberg já investiu em seu talento quando produziu para ele Gremlins.

ESQUECERAM DE... AGNES BROWNE, O DESPERTAR DE UMA VIDA

Ela tem um tipo exótico que lhe permite interpretar os mais diversos papéis. Mulheres fortes, sofridas, esnobes, excêntricas, comuns ou vilãs. Não importa. Anjelica Huston sempre dá conta do recado, pena que selecione tanto seus trabalhos, o que priva o público de desfrutar de seu talento. Conhecida por suas atuações em A Família Addams e Convenção das Bruxas, clássicos das sessões da tarde, e detentora de um Oscar por sua atuação em A Honra do Poderoso Prizzi, pouca gente sabe que a atriz também já se arriscou a trabalhar atrás das câmeras. Experiência para tanto ela tem sobra. Além de observar os trabalhos de diretores quando está atuando, dentro da própria casa ela já tinha uma verdadeira escola. Filha do cultuado cineasta John Huston, a intimidade com a direção foi passada de pai para filha. É como diz o ditado, filho de peixe, peixinho é. Em Agnes Browne – O Despertar de Uma Vida (1999) ela se divide entre viver a personagem-título e dirigir este belo drama.

terça-feira, 5 de julho de 2011

FESTIVAL DE FÉRIAS - O INDOMÁVEL, ASSIM É MINHA VIDA

Nesta terça-feira gelada a dica é assistir um filme cuja paisagem e atmosfera são tão frios quanto a temperatura que marcam os nossos termômetros.  Hoje a sugestão é rever um a produção que reúne duas grandes estrelas do cinema e que muita gente das novas gerações talvez nunca tenha visto um trabalho deles. Os finados Paul Newman e Jessica Tandy fazem parte do elenco de O Indomável - Assim é Minha Vida (1994), uma das produções mais lembradas nas premiações do ano seguinte, inclusive no Oscar. Pudera, o diretor responsável é Robert Benton que já havia ganhado duas estatuetas da Academia de Cinema pelos roteiros dos dramas Kramer vs. Kramer e Um Lugar no Coração. O cineasta tem uma eclética filmografia, mas atingiu seus maiores sucessos quando demonstrou apreço pelos temas que envolvem as relações humanas, sejam de amizades ou de família.

UM AMOR QUE ATRAVESSA AS DÉCADAS


Uma bela história de amor comove o espectador independente da época. Seja no passado, no presente ou no futuro, se ela for bem contada, ela trará a tona emoções e até lágrimas. Em 1957, o diretor Leo McCarey resolveu atualizar um de seus trabalhos anteriores. Assim deu vida nova à Duas Vida, produzido no final da década de 30. Ele próprio reescreveu o roteiro e compôs diversas músicas para Tarde Demais Para Esquecer, um clássico que atravessa as décadas colhendo novos apaixonados para sua lista de fãs. Cary Grant e Deborah Kerr estrelam esta produção que marcou época, apesar de muitos a considerarem demasiadamente dramática e com estilo extremamente folhetinesco. A história começa em um navio no qual estão viajando Nickie Ferrante, um conhecido playboy da alta sociedade, e Terry McKay, uma bela ex-cantora de cabaré. Relutante no início, a moça acaba cedendo aos galanteios do cortejador. Eles se apaixonam durante o trajeto, mas ambos já estão comprometidos e então fazem um acordo: ambos terão seis de meses de prazo para terminarem seus relacionamentos atuais e se certificarem de que desejam se unir realmente. Inclusive, além da data, eles chegam a estipular um lugar e um horário para o reencontro. É claro que contratempos irão surgir para evitar que eles se unam novamente. Aliás, a vida dá uma bela rasteira no casal poucos minutos antes do tão esperado compromisso.

segunda-feira, 4 de julho de 2011

FESTIVAL DE FÉRIAS - FARGO

Segunda-feira, a primeira semana das férias está começando e hoje a pedida é rever ou ver pela primeira vez um dos filmes mais admirados dos cultuados irmãos Joel e Ethan Coen e que marcou a história do cinema. Acostumados a realizarem produções elogiadas e premiadas no mundo todo, mesmo trabalhando com temas difíceis e com poucos recursos financeiros, eles chegaram bem próximos da crítica, do público e do Oscar com Fargo - Uma Comédia de Erros (1995), título que causou frisson nos EUA e logo depois no mundo todo ao misturar violência e humor negro em doses certas. Logo de cara um aviso: a obra é inspirada em acontecimentos verídicos ocorridos no Estado de Minnesota em 1987 e, em respeito a memória dos falecidos na ocasião, os fatos não foram alterados. Na realidade, essa foi uma estratégia usada para causar impacto, pois a história é ficcional do início ao fim.

domingo, 3 de julho de 2011

FESTIVAL DE FÉRIAS - UM SONHO POSSÍVEL

Primeiro domingo de férias. Aproveite o dia para reunir a família e assistir a um agradável filme. A dica é Um Sonho Possível (2009), o filme que deu finalmente um Oscar à Sandra Bullock, uma das atrizes mais queridas de Hollywood. A produção é um drama leve do tipo que traz boas mensagens ao público. O viés do enredo é tratar do tema adoção, mas de uma forma diferente das que estamos acostumados. O diretor John Lee Hancock não quis se arriscar e seguiu à risca a cartilha que rege os grandes filmes com tom edificante para atingir o emocional de quem assiste e se baseou na história real contada no livro "The Blind Side: Evolution of a Game". Porém, ganha crédito ao evitar transformar seu longa em um produto triste e lacrimejante, armadilha muitas vezes difícil de escapar. Apesar de o protagonista ter sofrido muita na infância, como é indicado por sua conduta e aspecto físico, somos poupados de cenas de violência em flashback.

sábado, 2 de julho de 2011

EM CARTAZ... CAPITÃO AMÉRICA - O PRIMEIRO VINGADOR


Ele é um dos heróis dos quadrinhos que há tempos vem ensaiando para invadir os cinemas, mas sempre o tal projeto era adiado por inúmeros motivos. Mas finalmente sua hora chegou. Eis um dos cartazes de Capitão América - O Primeiro Vingador, que de forma tradicional e eficiente apresenta os personagens do longa, dando destaque, é claro, ao nosso herói. A direção ficou a cargo de Joe Johnston, de Jurassic Park 3, e é estrelado por Chris Evans, Hugo Weaving, Stanley Tucci, Tommy Lee Jones, Dominic Cooper, entre tantos outros. Pode ser mais uma franquia de sucesso nascendo. A estréia nacional está marcada para o fim de julho.

EM CARTAZ... A HORA DO ESPANTO


Este é um dos quatro cartazes da aguardada refilmagem de A Hora do Espanto. Cada um traz um dos atores em destaque em poses assumidamente cômicas, já que o enredo mistura terror e comédia. Ao que tudo indica, a nova versão vai adotar mesmo um tôm mais satírico, talvez descaracterizando o original. A arte criada para o material publicitário, em comparação a feita em 1985, realmente é de doer. Muito pobre em elementos e não parece que vamos ter um filme de roer as unhas, mas sim um terrir, daqueles bem pastelões. Essas são conclusões a partir do pôster, mas só saberemos o que vai ser essa reinvenção de um clássico do gênero terror no segundo semestre. O filme chega as salas de exibição americanas no início de setembro e nas brasileira no final do mesmo mês.

FESTIVAL DE FÉRIAS - A LENDA DO CAVALEIRO SEM CABEÇA

Neste sábado, nada melhor que aproveitar o clima frio que faz a noite nessa época do ano para curtir um filme de terror, mas não qualquer título. Tem que ser um que tenha diversos elementos assustadores, como atmosfera e trilha sonora de arrepiar, e ainda conte com excelentes atores sendo comandados por um verdadeiro mestre em lidar com a fantasia e totalmente a vontade em um ambiente gótico. Assim a dica é ver A Lenda do Cavaleiro sem Cabeça (1999), protagonizado por Johnny Depp e com a direção de Tim Burton. Não dá para imaginar outra dupla para ocupar tais vagas depois que você vê essa obra-prima do gênero. Sem precisar extirpar corpos a olhos nus, o cineasta conseguiu fazer um trabalho amedrontador e com classe.

Você também pode gostar de:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...