sexta-feira, 7 de dezembro de 2012

FESTIVAL DE FÉRIAS - O LORAX, EM BUSCA DA TRÚFULA PERDIDA

Theodor Seuss Geisel, ou simplesmente Dr. Seuss, era um autor de livros infantis cujas obras até hoje fazem muito sucesso em países de língua inglesa, mas no Brasil o conhecimento sobre seus trabalhos é muito limitado. Infelizmente, sua literatura por aqui depende e muito do cinema para chegar ao grande público, mas ainda assim os resultados deixam a desejar. O Grinch, O Gato, Horton e o Mundo dos Quem e agora O Lorax – Em Busca da Trúfula Perdida (2012). Essa quadrilogia guarda algumas semelhanças como o visual colorido e personagens com características físicas semelhantes, além é claro de lições de moral para os pequenos. A dica de hoje na realidade não traz apenas uma mensagem para crianças, mas também para adultos, afinal é a preservação da natureza que está em pauta, assim como os perigos da ambição sem limites.
 
A história adaptada por Ken Daurio e Cinco Paul se passa na cidade de Sneedville, local onde tudo é feito de plástico. O jovem Ted está à procura de uma árvore verdadeira para impressionar Audrey, sua vizinha por quem está apaixonado. Nesta busca, ele acaba saindo dos limites da cidade e vai falar com Once-ler, um empresário ganancioso que está desmatando as áreas ocupadas pelas trúfulas, exóticas árvores com pelos no lugar de folhas. Ele conta ao garoto também sobre o Lorax, uma criatura encarregada de proteger a natureza, mas que só pode aconselhar a respeito dos danos que o progresso sem limites pode acarretar. Ted então passa a lutar pelos direitos da natureza e deseja encontrar a última trúfula viva, porém, seus propósitos vão contra os interesses de Mr. O’Hare, um milionário que lucra vendendo ar puro a preços exorbitantes. Quanto menos plantas existirem, mais poluído o ar ficará, assim obrigando a população a comprar um bem que deveria ser comum e gratuito a todos.
 
 
Os diretores Chris Renaud e Kyle Balda, do badalado Meu Malvado Favorito, tomaram algumas liberdades quanto ao texto original, mas as mudanças só vieram a somar positivamente ao produto final, como a ideia da cidade murada, uma forma de amplificar a sensação de artificialidade do mundo. Apesar da aparente inocência do roteiro e do colorido excessivo propositalmente atingido com as mais modernas técnicas de animação via computação gráfica, temos aqui uma mensagem muito séria a ser passada. Claro que o grande chamariz da produção é o Lorax, um ser peludinho, laranja e de olhos esbugalhados que dá nome ao longa, mas seu encanto não deve desaparecer logo que apareça. Aliás, ele surge pela primeira vez em uma importante sequência. Quando uma trúfula está sendo cortada, ele aparece de repente do toco que restou trazendo através de palavras e ações alertas sobre o que aquele simples ato poderia ocasionar, mas Once-ler não dá atenção é só pensa em continuar derrubando árvores para poder produzir bens de consumo com a matéria-prima.
Apesar da defesa da natureza ser o assunto principal, a narrativa não é monótona. Ela é conduzida com simpatia, humor e diverte. Os roteiristas foram habilidosos ao adaptar os versos escritos pelo Dr. Seuss em diálogos de fácil assimilação e bons números musicais, este o calcanhar de Aquiles de muito desenho. O que certamente atrapalhou a produção em encontrar seu público foi seu caráter de diversão infantil assumido sem receios. Não existe realmente a preocupação em agradar adultos com piadas ácidas, malícia ou citações a filmes ou assuntos contemporâneos como é o caso da franquia Shrek. Se o roteiro pode deixar a desejar para os mais crescidinhos, o encanto visual está garantido através de imagens que deixam explícito o cuidado com texturas, algo que algumas produções computadorizadas deslizam deixando o resultado final um tanto artificial. Bem, não que aqui a artificialidade não esteja presente, afinal ela faz parte do enredo. Os plásticos parecem críveis, assim como o que deve ser coberto com pelos nos dá a sensação de maciez ao toque.
 
 
Apesar de não ser muito longo e nem se aprofundar em suas discussões a respeito do futuro incerto, O Lorax – Em Busca da Trúfula Perdida consegue plantar uma sementinha de conscientização em seu público-alvo. Mesmo com todo o visual lúdico que ocupa o espaço do tradicional verdinho das vegetações, o recado é bem dado aos pequenos e provavelmente caberá a eles transmitir aos pais e familiares a mensagem explícita do longa. Infelizmente para muitos adultos esta produção não é nada mais que um passatempo rápido protagonizado por um bichinho fofinho que eles certamente comprariam em uma loja de brinquedos para alegrar os filhos e alguns anos depois descartariam como qualquer porcaria. Assista e aplique os ensinamentos do longa nas pequenas coisas do seu dia-a-dia. Tenha certeza que algumas mudanças de comportamento hoje farão diferença no futuro.

Nenhum comentário:

Você também pode gostar de:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...