quarta-feira, 25 de julho de 2012

FESTIVAL DE FÉRIAS - ENCANTADA

Houve um tempo em que férias era sinônimo de Disney. Nesses períodos longos de descanso dos estudantes era tradição sempre ter uma bela animação do estúdio para virar a febre da temporada, mas o tempo passou e este calendário perdeu a serventia. Claro que ainda temos os desenhos feitos em parceria com a Pixar, mas mesmo com as críticas geralmente positivas tais produções aparentemente não causam o mesmo barulho da época de A Bela e a Fera ou Aladdin. Aliás, diga-se passagem, as animações computadorizadas lançadas após a junção das duas empresas já não são mais nenhuma unanimidade quando o assunto é diversão. Repetição de temas, personagens similares, visual sobrepondo-se à historia entre outras coisas tiraram totalmente a originalidade e o brilho deste tipo de animação, tanto que dá até saudades de curtir aquelas boas e velhas histórias de princesas. A Disney tentou voltar ao estilo com A Princesa e o Sapo e Enrolados, mas ironicamente o sucesso veio com um filme criado justamente para tirar um sarro de tudo aquilo que ajudou a criar o império do Sr. Walt Disney. Encantada (2007) surpreendeu o mundo com uma narrativa clássica, porém, totalmente diferente de algo que se espera do estúdio.
Desde que Shrek surgiu satirizando os famosos contos de fadas, com cutucadas explícitas da empresa Dreamworks à Disney, é certo que a casa do Mickey Mouse e tantos personagens que entraram para o universo pop mundial foram perdendo cada vez mais espaço no campo das animações. A solução encontrada pelos executivos foi um tanto original: se pessoas alheias ao estúdio podem deitar e rolar sobre nosso material por que não fazemos o mesmo? Assim os roteiristas Bill Kelly, Rita Hsiao e Todd Alcott aparentemente tiveram carta branca para remexer nas memórias do estúdio e pinçar diversas características que se tornaram marca dele e outras tantas que fossem de fácil assimilação para o público que automaticamente se lembraria de ter visto cena semelhante em outro desenho. O diretor Kevin Lima, que já havia entregue ao estúdio o live action 102 Dálmatas e a animação Tarzan, acertou em cheio ao iniciar e fechar seu longa com animação tradicional e recheá-lo com atores de carne e osso representando o encontro do mundo real com o de fantasia. A introdução já é em tom de sátira. Feita em desenho e com todos os clichês Disney possíveis, como animaizinhos falantes e muita cantoria, temos em cena uma bela jovem que é salva de um monstro por um corajoso príncipe. Eles se apaixonam imediatamente e trocam juras de amor em menos de três minutos, o que desagrada a madrasta do rapaz que não quer ceder seu reinado a ninguém. Vestida de anciã, esta mulher sem escrúpulos consegue jogar a princesinha em um túnel sem fim e assim ela pode reinar absoluta e feliz para sempre. Será?

Giselle (Amy Adams), após ser expulsa do reino de Andalasia, literalmente vê uma luz no fim do túnel e a segue sem saber que vai parar na agitada e confusa Nova York do século 21, onde a educação das pessoas é escassa e não cai nada bem para uma moça vagar sozinha pela noite com um gigantesco vestido de festa e uma coroa cravejada de brilhantes. Aqui ninguém acredita em finais felizes, como o advogado Robert (Patrick Dempsey) que faz questão de preparar a pequena filha Morgan (Rachel Covey) para as decepções que o mundo reserva, mas quando ele encontra Giselle as coisas podem mudar. O rapaz inicialmente acha que ela é louca e tenta ajudá-la a voltar para casa, não importa onde fosse a tal Andalasia, porém, pouco a pouco ele vai tendo seu frio coração amolecido pelo entusiasmo, pureza e imaginação da jovem que está certa que Edward (James Marsden), seu príncipe encantado, pode chegar a qualquer momento para levá-la de volta ao reino encantado. O problema é que não só o príncipe está a sua procura, mas também sua madrasta Narissa (Susan Sarandon) trazendo a tira-colo seu fiel e atrapalhado escudeiro Nathaniel (Timothy Spall) que será o responsável por executar os planos maquiavélicos da feiticeira. Para completar um simpático e esperto esquilinho amigo de Giselle também vem para o mundo real para ajudá-la a escapar das armadilhas e reencontrar seu príncipe.
O contraste entre a inocência e a delicadeza do mundo de fantasia e a brutalidade e complicações do mundo real poderiam render muitas piadas, mas os roteiristas foram cautelosos e não quiseram chocar o público e tampouco denegrir o passado Disney, assim as piadas inseridas, a maioria citando contos clássicos, devem ser encaradas na verdade como uma homenagem a uma das produtoras de cinema mais tradicionais e premiadas dos EUA. Giselle cantarola enquanto faz a limpeza do apartamento de Robert no melhor estilo Cinderela, depois ela é vítima de alguns golpes envolvendo maçãs nos remetendo à Branca de Neve e os Sete Anões e o ápice da narrativa é totalmente inspirado em A Bela Adormecida. Além destas referências, os “disneymaníacos” devem ter facilidade de encontrar citações que lembram A Dama e o Vagabundo, O Corcunda de Notre Dame e uma cena de baile deve fazer muita gente se emocionar tanta quanto A Bela e a Fera fez um dia ou continua fazendo. Obviamente esse túnel do tempo emotivo não faz nem cócegas para algumas pessoas que insistem em caçar erros em uma produção redondinha e agradável. Talvez a única parte que destoe no conjunto seja o fato de Giselle fazer inúmeras compras para se preparar para uma festa e quando a vemos pronta ela está com o vestido mais simples possível e nada de acordo com o tema da recepção. Fora isso, é preciso embarcar na fantasia e deixar o mau humor de lado para aproveitar cada minuto.

Amy Adams conseguiu o mérito de se tornar a princesa mais cativante de todas já criadas pela Disney. Como diz o personagem de Dempsey, ela realmente parece saída de um conto de fadas e mesmo quando está cantarolando com bichinhos ou falando de amor convocando uma multidão em pleno Central Park para dançar ela nos convence de que é real e que acreditar nos sonhos é preciso. Seu partner acabou ganhando status de príncipe quando na verdade está mais para um sapo jururu e o verdadeiro herdeiro do trono foi jogado para escanteio. Por outro lado, Marsden garantiu as melhores piadas aproveitando o perfil bobão de seu personagem aliado a amizade que mantém com o esquilinho Pip. Por fim, Susan Sarandon surpreende. Com uma imagem atrelada a papéis dramáticos, é muito prazeroso vê-la se divertindo como nunca na pele de uma feiticeira e até mesmo quando empresta a voz à personagem transformada em um dragão ainda é possível sentir sua força pulsando. Encantada já nasceu com toda pinta de se tornar um clássico das sessões da tarde com seus números musicais dignos de espetáculos da Broadway, romantismo açucarado, personagens cativantes e o principal: reavivar os sonhos infantis que infelizmente hoje em dia tendem a morrer mais cedo dentro de crianças que são induzidas a amadurecerem antecipadamente. Sonhar faz bem em qualquer idade e este filme provoca a imaginação de bebês à idosos, basta se entregar por completo à magia aqui resgatada.

Um comentário:

Rafael W. disse...

Bom filme, apesar de que o final é pra lá de exagerado.

http://avozdocinefilo.blogspot.com.br/

Você também pode gostar de:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...